JOGO DO PODER

O que vou contar não é nem um por cento do que vi.

A terra está precisando mesmo de uma reforma ética espiritual. Eu fiquei desdenhado com as imagens que eu vi e nem sei como explicar esta situação. Um covil de lobos famintos pelo poder que para eles não importa quem vai morrer ou viver, importa o que eles vão receber.

Eu fui ver e não queria ter visto, pois me chocou muito o jogo sujo aplicado para vencer seus concorrentes. O uso de artifícios imorais para atingir seus inimigos, a destruição das famílias, drogas, sexo, prostituição, tudo pela ganância de ter vencido para satisfação intima.

O cenário é degradante, por isso temos obrigação de dar o exemplo para nosso convívio moral social desta tribo. Na tribo de Seta Branca e vi as mesmas barbáries sendo cometidas, porque eu achava que nada acontecia fora das leis do amanhecer. Ledo engano. A falta de um caminho de respeito, amor e continuidade da evolução dos espíritos, mas eles saem pela mesma porta que entraram e continuam sendo os mesmos.

Não estou entrando no mérito de ninguém, cada qual segue o seu destino, seja ele bom ou ruim. O que eu mostro aqui é este jogo infernal de domínio do poder. A terra precisa ser passada a limpo e para que isso aconteça vamos presenciar uma limpeza espiritual retirando os espíritos errados e dando condições de novos chegarem. Mas como será feita esta transição se a panela está contaminada e sem tampa para fechar os vícios.

Deus tomará conta de todos. Deus fez uma aliança com os seres humanos de não interferir nos seus destinos, mas, porém, a coisa está ficando muito séria e os homens estão pensando serem Deuses. Estão tomando as rédeas da vida e da morte, quem vai viver e quem vai morrer.

Eu vi uma cena degradante. Era um homem que tinha alguns dotes, uma linda família, filhos e viviam bem. Seu inimigo o via com olhos de inveja e não se contentava com o que tinha em seu caminho. Ele planejou muito como faria para destruir aquela família feliz. Não demorou muito para que os planos fossem feitos. Ele usou de uma mulher de índole duvidosa, mulher da vida, para que se infiltrasse naquele lar. E assim foi feito. Quando certa vez ele passava de carro por uma avenida a mulher estava parada ali como que não quisesse nada. Era uma linda jovem clara e ele já era um senhor de meia idade com seus cabelos grisalhos. Foram várias tentativas para chamara a atenção, até que um dia ela pediu carona, queria ir a um lugar para rezar. Ele, muito religioso, abriu a porta e ela entrou. Muito recatada naquele instante nada fez para chamar a atenção. Isso foi começando aos poucos, dia após dia, até ela conseguir ganhar a confiança do homem. Ele aos poucos foi cedendo aos encantos da jovem e acabou por cair nas garras dela.

Ela então mandou recado para quem a contratou, dizendo que o peixe estava na rede. Foi uma armadilha planejada pelos dois, pois no dia que iriam se relacionar ele mandou um aviso para a mulher deste senhor: “Teu marido está em tal lugar com uma mulher!”. Pronto! Acabou a felicidade. A mulher honesta e sincera fechou seu semblante, não queria acreditar, já não era mais a mesma. Não foi atrás, mas ficou observando as reações do seu marido.

Agora ele já não chegava mais no horário e não dava muita atenção aos filhos e nem a ela, uma senhora de beleza mediana e com maturidade discreta. Porém ela foi levando aquela situação e já concordando com aquele aviso do inimigo oculto. Precisa ver com seus olhos para acreditar nesta mudança repentina do seu companheiro.

Foram vários dias e semanas até que ela recebeu mais um aviso de onde seu marido estaria. Foi atrás e viu com seus olhos ele saindo com ela em seu carro. Ali a família perdeu seu vinculo e passou a viver um grande dilema emocional. Separação, a dor dos elos criados a partir da formação espiritual dos integrantes.

Aquele lar foi arrasado e tudo que tinham foi dividido. O homem perdeu a sua esposa e não ficou com a outra que se infiltrou. Ele virou um andarilho em busca de perdão. A mulher mediana ficou com os filhos adolescentes e não permitia que o pai deles nem perto chegasse.

O tal vizinho invejoso olhava por cima da cerca e se deliciava com a desgraça. Conseguiu destruir e desgraçar completamente aquele lar. Eu não fiquei sabendo se ele descobriu quem foi que planejou esta vingança, sei que ele virou um mendigo e foi morar na sarjeta. Foi uma coisa tão grave que ele mesmo se condenou por ter caído nesta armadilha. Ele mesmo aceitou sua condenação.

Agora o que lhe aquecia as noites frias eram as bebidas que conseguia de um e outro na porta dos bares. Foi atrás da donzela que o envenenou, ela estava ali na casa das primas, mas estava proibido de entrar. Foi por vários dias atrás da jovem até que ela se cansou dele ficar ali esperando e entregou toda a tramoia. A morte agora tinha voz. Ela falou tudo e quem mandou.

O homem ficou doido e sem saber o que pensar e fazer saiu correndo a pé pelas ruas da cidade. De repente tudo aconteceu, foi atropelado, morreu ali mesmo sem tempo de reagir. O espirito dele ficou preso pelo ódio e aos poucos foi ficando escuro a sua mente. Dias foram passando até que ele conseguiu entender o que se passara. Foi atrás do cidadão invejoso e começou a sua vingança se tornado obsessor dele. Eu sei que um erro não justifica outro, mas como alguém reagiria sabendo que tudo foi uma armação. Não foi coisa do destino, do carma, foi armação planejada da inveja para destruí-lo.

Eu fui atrás, aliás, fui levado a ver este quadro espiritual. Fui até o lar da mulher mediana e vi que eles estavam bem. Ela não quis outro companheiro, pois tinha medo de cair novamente nas garras de outro homem e tudo voltar a acontecer.

Já o vizinho de cerca, o tal invejoso, começou a sentir os efeitos da vingança. Ele começou a adoecer e ficar acamado. As dores eram intensas e cada dia ia se complicando mais. Câncer. Foi o diagnóstico. Ele não morreu imediatamente, levaram anos de tratamento, de aplicações, de remédios. Toda dor que ele sentiu foi como reparação do erro cometido.

Eu vi que nesta terra há muita maldade. Temos que aprender com os nossos próprios erros e fracassos. Olhar sempre com bons olhos a nossa evolução sem se importar com quem cruza a nossa linha do destino.

De vez em quando temos que fechar nossos olhos para não haver correspondência com nosso coração. O que os olhos não veem o coração não sente. Olhem para o outro lado e desviem seus pensamentos.

Tudo nesta terra se tornou um jogo político. Os interesses em passar a perna nos demais e articular a derrota do seu adversário, quer com poder, quer com verbas, quer com articulação dos desvios de conduta, como no caso deste homem, envolvimento com prostituição. Um jogo sujo que vemos e sem poder desarticular esta onda de desmoralização vamos perdendo a verdade. A estes homens de paletó bem alinhado nada podemos fazer, somente eles vão acordar do outro lado com a corda enrolada em seus pescoços. As dividas serão eternas e milenares.

Aqui nesta cidade vejo muitos senadores de Roma encarnados. Os velhos políticos de outrora ainda se mantendo na mesma posição de articulação. As velhas barbáries entre Barrabás e o Cristo Salvador. Quem é de Cristo nunca irá participar das injustiças dos senhores falcões.

Vamos percebendo que a terra está mudando um pouco seu eixo de entendimento. Não vamos ficar cegos como mariposas, vamos abrir nossos olhos e ver com clareza o que nos resta nesta encruzilhada do destino cármico. Não somos mais cegos, já podemos ver um pouquinho mais longe. Aquela membrana presa aos nossos olhos começa a desfazer e teremos que bater de frente com os desmandos autoritários das inverdades. Vejam que todos querem o poder.

Eu voltei desta missão com muito esclarecimento. Não vamos cutucar onça com vara curta. Cada ser desta terra está passando pelo funil de suas juras transcendentais. São provações que pediram e agora não adianta chorar ou exigir dos Santos e Anjos Espíritos uma solução. Eles somente podem aliviar a carga dando energia para suprir os erros passados. Trabalhem espiritualmente para equilibrar a balança.

Jaguares. Vamos olhar por cima do muro da eternidade e ver as estrelas brilhando em nosso favor. Nada da terra será aproveitado, somente o conhecimento levarão e mais nada.

Salve Deus!

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

17.04.2021

Seja bem-vindo ao vale dos deuses!