MEDIUNIDADE

MEDIUNIDADE
Como sempre venho dizendo: A mediunidade é a porta e vocês são a chave.
Só se conhece Deus e a si mesmo quando você tem domínio de suas faculdades mediúnicas.
Para desenvolver é necessário um conjunto de forças paralelas ao longo de meses para abrir esta porta enferrujada.
Brincar de ser médium não qualifica seu grau de consciência. Por isso os mentores tem uma paciência muito grande para com todos, pois estão experimentando esta adaptação dos efeitos da conjunção de dois planos. Eles só podem chegar até nós pela nossa porta.
Quando dominamos os sentimentos mais profundos saímos do físico e penetramos na leveza do universo. O mundo paralelo é desigual ao nosso. Sem materialidade tudo parece ficção. Pensamos algo e a imagem cria nossos desejos. Por isso o domínio desta faculdade é notório prazer de alguns. Seria como uma dose concentrada de barbitúrico. Acalma o sol interior levando ao êxtase com as delícias do choque magnético.
Principalmente o médium apara que vive constantemente sendo inflamado com estas aberturas. Já o doutrinador tem seus meios de ser atendido com o passe da troca de energia.
Quando não se está na terra os contatos podem ser racionais ou irracionais. Depende muito do grau de necessidade. Exemplo: amor e ódio. São dois instrumentos de atenção dos espiritualistas. Por amor uma mãe protege seus filhos onde quer que estejam. Por ódio a vingança de alguém arrasta um arsenal atômico de maldade.
Tudo é energia se desprendendo. Se temos nosso magnético benéfico na junção das células, este mesmo magnético pode acelerar um desastre.
Eu fico preocupado com estas mediunidades mal formadas. Não sei a quem fará mais mal. A quem recebeu ou a quem entregou.
Eu estou tendo muitas aulas fora da psique humana. É como uma preparação comportamental. Quem tiver consciência desta benéfica onda vai ser um grande instrumento da verdade.
A verdade dói, mas é a única que salva, liberta.
Onde eu vou muitos não vão. Uma questão mediúnica. Cada qual tem sua porta.
Esta viagem eu tive que reaprender o uso do arco e flecha. Era uma competição. Tive que acertar alvos difíceis e como errei. Errei porque ainda não tenho perfeito domínio desta condição.
Após esta passagem fomos para um local que parecia um museu. Muitas relíquias depositadas, a história de povos em seus períodos.
Tava tudo branco. Não estava frio. Parecia neve, mas não era.
A formação do terceiro milênio que vai abrir as entranhas da terra para readaptar seus habitantes. Cada um verá de forma diferente do outro. Bilhões de almas esperando sua hora. Esta é a nova era.
Vamos trabalhar as mediunidades com sutileza de favorecer a intelectualidade e não a promiscuidade. Senão serão sempre cavalos e nunca aparas.
Está havendo uma inquietação mediúnica da terra do homem pássaro. As protuberâncias estão florescendo na pele como irritação. Seria como uma alergia. É o campo magnético sofrendo alterações do bombardeiro direto que sem proteção recebe estas cargas do etérico plano.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
12.06.2020

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas