REENCONTRO

REENCONTRO
A vida na terra nos leva aos reencontros com os vivos.
Eu fui viajar e chegando num local não muito distante vi de cima como construções sendo levantadas. Pareciam muros de tijolos que davam noção de um grande cemitério. Desci. Fui andando pelo campo desolado quando encontrei o pedreiro. Era meu sobrinho desencarnado a pouco tempo em um acidente de moto.

_ Salve Deus Francisco!
_ Quem é! Faz tempo que não me chamam pelo meu nome!
_ Sou eu, seu tio! Como você está?

Ele parou e ficou pensativo. Não queria olhar para mim. Acho que envergonhado.

_ Tio Fernando! O que veio fazer aqui tão distante da terra!
_ Vim em missão de uma vibração! E ao ver estes muros a meia altura fiquei curioso!

Nossa conversa foi franca e em nenhum momento ele mensionou sua família da terra. Acho que ainda sentia a dor da saudade. Dor da saudade é como um castigo de reaver a memória astral. Ele não sorria, estava desnutrido, sem energia. Quando a família na terra faz preces as vibrações sobem ou descem e vão sendo canalizadas para quem necessita. Aqui ele está apagado. Seu espírito está construindo sem parar, está precisando de bônus para viver.
Na terra ele havia assumido um compromisso com o templo qual não cumpriu. Agora está tentando pagar desta forma. Mas com a desorientação e falta de crédito espiritual tudo isso não tem valor algum. Não tem assistência do mentor responsável. Eu marquei este local para destravar seu endereço. Somente assim as preces serão ouvidas.

_ Chico! Tá tudo torto! Se você quer ser ouvido faça direito!

Eu me referia ao muro que não estava no prumo. Ele parou e ficou analisando qual sentido de minhas palavras. Fazer direito. Muitos na terra perdem seus compromissos por não assumirem suas missões transcendentais. Ao chegarem aqui não tem um bom lugar. Vão ter que se alinhar com o pouco que conseguiram ou sobrou.
A vida entre os paralelos de dois mundos. Como eu disse, os paralelos um dia se cruzam. Horizontal e vertical.
Eu levei um pouco de lenitivo para este jaguar desencarnado. Eu só espero que ele não se torne cobrador do seu cobrador. Seu cobrador ainda está encarnado na terra. A morte cumpriu uma jura, uma dívida.
Talvez com minha presença as coisas melhorem para ele. Ele continuou trabalhando e eu voltei.
Cheguei na terra das mil e umas oportunidades. Coisa que o ser humano vive o que conquista com seu suor. Mas esquece que o corpo físico sem o espírito morre e o espírito sem energia vai ficando feio. Vai envelhecendo como um pedaço de madeira seca. Quando chega o fogo etėrico ele entra em combustão. Morre em dois planos.
Assim é a vida na terra e no céu. Eu cheguei até ele seguindo suas vibrações. Um pedido de socorro que nem sabia de quem ou de onde.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
29.05.2020

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas