A GRANDE PROCURA

A GRANDE PROCURA
Os espíritos procuram uma porta aberta.
Sentado aqui na varanda, olhando para o templo, a visão de um mundo dilacerado pelas inverdades cruéis que chegaram numa hora de fragmentação da religiosidade, da fé, da esperança. O templo hoje fechado, sem aulas, sem contato físico, deixa um mundo a refletir, quem somos nós.
Os espíritos estão sufocando e sufocados procuram uma luz neste túnel. Falta de uma palavra amiga que do céu penetra nas densas nuvens para aliviar a pressão inconcebível que estamos sofrendo. O que nos falta! Temos tudo e nada ao mesmo tempo. Sim, tudo na força do jaguar e nada pela ingerência mediúnica. Assim os espíritos encarnados se lançam para fora do sistema físico procurando Deus. Esta jovem está encarnada, sim, o espírito encarnado projetado para fora tem uma energia diferente. Ela é mais pesada, mais densa, causa mal estar.
Os desencarnados são livres do ectoplasma, são sofredores em evolução. Ela passou para o templo na esperança de encontrar uma palavra amiga. Eu fiquei observando sua presença no templo, não interferi, era uma filha de Seta Branca
Ali na cruz ajoelhou-se e fez seus pedidos, suas preces. O céu abriu sobre sua cabeça e um raio de Olorum desceu forte suavizando seu coração. Correntes brancas do oriente maior. Após ter recebido esta bênção ela sumiu da visão. Assim podemos ver as reações dos filhos de Seta Branca nas ações que lhe provém a cura do sol interior.
Vamos nos curar e curar todos!
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
26.04.2020

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas