CONSAGRAÇÃO

CONSAGRAÇÃO
Agradeço a Deus por confiar em mim.
Subi e quem me esperava era Lacerda. Ele estava deitado em uma cadeira de descanso, em tratamento. Suas pernas haviam sofrido uma espécie de trombose que dificultava ficar em pé. Nesta passagem sob as ordens de Ypuena ele disse após a consagração: agora sim, estamos na mesma altura para falarmos. E conversamos. Ajudei a colocar uma manta sobre suas pernas. Havia muitos espíritos esperando, outros espiando, outros nem sei dizer. Ao final desta contagem das estrelas quebramos simbolicamente a parede que nos dividia. Apesar dele ser meu compadre ainda havia resquícios de vidas a serem compensadas.
Derrubamos um símbolo, eu o ajudei a dar um chute e colocamos um ponto final.
_ Agora você está livre para seguir com sua missão!
_ Salve Deus!
Nesta passagem espiritual nos comprometemos diante de Koatay 108 a sermos irmãos para levar o caminho da verdade a luz do evangelho. Com esta libertação ele fica livre para seguir com seu ministro e eu com este povo de Seta Branca.
Agora eu tive o esclarecimento da verdade, o espírito só se liberta de suas juras transcendentais quando ele tem consciência de sua evolução. Ontem repintei o muro, foi ali que quebrou a ligação de sua marca. E esta noite quebrou aquele muro que impedia o relacionamento social. Não que tenha quebrado materialmente, mas espiritualmente sim.
_ Boa sorte meu irmão!
Desci tão rápido e cheio de esperança que nem me despedi. Sei que ele entendeu minha situação e eu a dele. Ele precisava caminhar e estava preso a esta jura. Eu não seguia estando preso a ele.
O homem só se liberta conhecendo o caminho de sua origem. Ypuena fechou este ciclo e Apurê assumiu sua missão. As argolas foram quebradas.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
14.04.2020

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas