DE REPENTE O CÉU BRILHOU

DE REPENTE O CÉU BRILHOU
Quatrocentas e uma amacês, sim, foi esta contagem que me passaram. O céu etérico estava fulgurante. Eu nunca tinha visto algo assim.
Da base lunar sairiam em missão pelo sistema promovendo a desintegração das consequências criadas pelos humanos e das inconsciências animais, vegetais e minerais. Um jeito de interferir na terra sem causar mais dores.
Um número expressivo para atender ao planeta nesta hora difícil. O brilho no etérico plano divino era como um metal polido em que propagava a energia de sua composição.
Eu olhava para aquela frota de naves e me sentia pequeno diante de um desconhecido mundo. De repente elas foram se deslocando em várias direções e aos poucos aquele brilho foi sumindo. Eu fiquei admirado com a perfeição dos comandantes que chegaram para ajudar. Ainda não tive respostas quem eram e qual missão vieram cumprir.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
10.04.2020

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas