MÃE É MÃE

MÃE É MÃE
Chegou aqui uma mãe em desespero, sua maior alegria era sua filha. Eu vejo nestes filhos um amor perdido, ilusório, sem razão. Eles nascem e quando despertam partem com ódio contra seus pais. Esta filha desumana esqueceu as entranhas que a acomodou por meses. Agora inimiga de sua mãe seguiu outra estrada e princípios. Esqueceu que também será mãe e deverá passar pelo mesmo processo carmico, aqui se faz, aqui se paga. Não terá que pagar em outra vida. Basta virar a esquina.
Aos prantos eu socorri esta mulher, entreguei aos mentores. Tudo vai ficar bem, tudo vai mudar.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
11.03.2020

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas