A HORA DO JAGUAR

A HORA DO JAGUAR
Os espíritos então se acordaram. Ouviram o chamado maior e sem pensar duas vezes subiram ao espaço para juntos formar uma barreira espiritual contra o ataque dos seres invisíveis.
Eu vi a grande preocupação dos jaguares em prestar assistência a terra. Muitos trabalhos iniciáticos foram realizados. Não havia divisão, havia união em prol de uma causa. Se na terra os encarnados estão se endividando, no espaço há outra compreensão dos valores. Ninguém é maior no conhecimento e todos sabem a mesma lei.
Foram muitas conquistas neste plano do homem transportado do seu mundo atribulado a liberdade de suas preces.
Neste entre meio havia algo estranho acontecendo no alto do morro. Muita gente do pé dele olhando para o alto e muitos tentando subir para saber do que se tratava. Estava difícil, liso e escorregadio. Mas de lá do templo as puxadas faziam túneis de luzes retirando as impregnações acumuladas. Era algo diferente a tudo que já vi entre a terra e o céu.
Voltei ao templo espiritual e os trabalhos estavam acelerados. A organização perfeita dos filhos de Seta Branca dominava o magnetismo humano transformando negativo em positivo. O grande chamado mostrou a verdade escondida.
Quem era Reili se abraçou a Dubali, formou então a grande legião de jaguares do amanhecer. As espadas se cruzaram e os mantras clarearam a estrada da nova era.
O CAMINHO DA VERDADE AGORA É O CAMINHO DA VIDA.
Assisti a tudo e a todos para poder registrar no curto tempo terrestre os nossos comandos. Vejam jaguares, vocês ouviram o chamado e sem pensar duas vezes subiram aos céus para servir ao propósito de Seta Branca. Não havia siglas, havia uma só tribo.
Voltei. Trouxe comigo mais esta experiência do espírito que deseja sua evolução. Cada um respondeu com o que compreendeu sobre sua evolução. Nada mais a falar deixo a cargo de todos falarem os seus pensamentos.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
31.01.2020

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas