CAMPO DE CONCENTRAÇÃO

CAMPO DE CONCENTRAÇÃO
Como é triste retornar a um passado de extermínio.
Esta madrugada eu recebi a visita de um espírito que mora aqui na redondeza. Este homem só me procura quando tem algum interesse. Vocês conhecem o espírito meloso que se gruda com motivos de arrancar alguma coisa que ele possa usar contra você.
Fiquei somente vendo sua atuação, aquele sorriso amarelo, sem jeito, porque eu estava com minha guarda fechada.
Ele não conseguiu completar seus planos, não dei uma gota de chance, o cara agora vem pousar de santo.
Partindo deste pretexto retornei no tempo, mas no tempo espiritual. Cheguei num campo de concentração conhecido como Auschwitz-Birkenau, onde imperou a tirania. Só que este campo não era na terra, era um lugar entre o céu e a terra. Diria como se fosse um cemitério espiritual. Havia muita paz, silêncio, era tudo tranquilo, porque muitos ali ainda estavam sob o choque da violência.
Eu não vi ninguém, estavam sob um manto que guardava suas memórias. O som era hipnótico, parecia com o vento soprando uma eterna melodia. Eu até me embebi com esta melodia, estava em paz.
_ Está na hora de acordarem!
Esta palavra de ordem ressoou por aquele campo, parecia um despertar das consciências. Tive medo, sim, quais reações destes espíritos ao me verem. Eu fiquei no invisível plano, não tive coragem de enfrentar esta dura realidade.
Eu não os via, sentia. Talvez isso tenha facilitado a minha permanência neste mundo.
Este campo de concentração foi um dos que exterminaram muita gente. Gente de quase todas etnias.
Eu estava refletindo a atual situação da humanidade e num momento me surgiu um filme, Tanus, o exterminador. Seria uma menção ao que a humanidade passou!
As ligações me contam as histórias, porque tudo indica que ninguém conhece ninguém. Ninguém sabe se aquele amigo é seu inimigo ou vice-versa.
Eu procuro estudar e aprender, sim, meus irmãos, vamos nos projetando conforme nossas roupagens vão sendo lavadas. Lavar sua roupagem é tirar a poeira, o bolor, é amaciar seu espírito com o conhecimento. Não adianta nada ser uma pessoa intragável, que ninguém gosta, que vibra descompassadamente. Ninguém é submisso suficiente para ser humilhado. Basta um motivo para o estalar do metal.
Voltei. Não abri minha guarda para este vizinho meloso e não fiz corredor de Auschwitz-Birkenau para cá. Acho que o templo mãe poderá receber este povo. Lá tem estrutura para aguentar a pressão.
Então que se forme o duto entre a terra o céu.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
31.10.2019

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas