NINGUÉM SABE AS DIFICULDADES DE UM TEMPLO

NINGUÉM SABE AS DIFICULDADES DE UM TEMPLO
Vejo que os errados sempre estão buscando os erros nos outros.
A nossa missão é a caridade e é por ela que um templo se forma na terra e nos círculos espirituais. Ninguém está apto a julgar os desígnios de uma missão, pois nenhum templo é igual ao outro. Cada templo em sua origem terrestre atende a um povo que encarnou naquele país, estado e cidade. Cada povo tem sua raiz, seus conceitos e sua natureza. E o principal de onde ele veio transitando pelas doze casas transitórias, os doze signos.
Esta noite o nosso templo espiritual estava cheio de espíritos que vieram ajudar, que vieram com o intuito de conhecer o sistema por dentro. Muitos conhecem esta missão pela aparência e não na sua integridade.
Então olhem para dentro de si mesmos e avaliem sua condição de julgador, coração dos outros é terra que ninguém anda.
Pai Seta Branca estava no comando e todos vieram fazer parte deste sistema. O Adjunto que não tiver coragem de andar vai estacionar. Quem parar para ouvir as ladainhas ficará preso em sua faixa obsessiva.
Milhares de luzes a bailar no solo sagrado. Uns vinham e outros iam. A mulher que tanto amamos estava aqui, estava executando o pleno direito da mulher.
Nossos plexos recebem o cruzamento das energias do astral e formam o balizamento da consciência divina. Todos são missionários, pois atingem o grau que separa terra do espiritual. A formação desta consciência astral supera a faixa sofrida dos médiuns que tanto reclamam tentando buscar respostas para si mesmos. A dor não vem do céu, mas conhecendo ela podemos separar os veios que brotam pela incapacidade mental.
A razão desta concentração espiritual está na amplitude do homem sem coragem de formar seu padrão, prefere morrer a que viver um novo amanhecer.
O templo estava lotado, sim, não tinha mais espaço para transitar. Como disse Seta Branca:
_ Meu filho! Muitos virão para te ajudar!
A minha escola foi para mim o conhecimento da verdade. Eu fui buscar o que era meu, formei meu canto, cruzei minhas espadas, empunhei a lança. Eu parti sem lenço e sem documento. Virei os planos de cabeça aos pés, vi, senti, levei e busquei. A hora está chegando de abrir o véu que recai sobre as têmporas, não dos temporais, pois temos as rédeas da vida e da morte.
Quando o céu fecha e o jaguar emite sua força na grande morsa ele desvia a tempestade, então, tendo o domínio destas forças porque não se conscientiza que de sua boca e pensamentos saem mantras de luz ou da escuridão.
Teremos novidades trazidas pelas Aruandas. Notícias que já correm lá no céu e somente a terra ainda não recebeu.
A mulher caminheira, caminhoneira, das mil e umas noites sem fim. Na boleia do seu caminhão, nave, chegando para enaltecer os corações esperançosos. A aflição de poucos deixando transparecer o absoluto universo.
Seta Branca está aqui hoje. Como sempre ele está formando seu exército de medianeiros que preparados espiritualmente trarão a mensagem do Cristo Nosso Senhor.
Uma coisa me chamou a atenção, a seriedade com que todos se respeitavam, ninguém cuidava da vida dos outros, todos sabiam de sua responsabilidade. Isso mantinha o equilíbrio das forças.
Se um jaguar tem a permissão das forças divinas ele está amparado espiritualmente para exercer sua missão.
Lembrem da espada apontada ao seu peito ou já esqueceram. Eu nunca mais esqueci meu juramento: ninguém jamais poderá contaminar-se por mim.
Não julguem os templos, não entrem pela campanha dos maus amados, não destruam uma casa pela vibração de sua incompreensão. Fácil destruir, mas como é difícil construir.
Se todos vissem o que eu vejo se tornariam santos. Mas todos um dia verão o céu da terra, sem precisar desencarnar para isso. Verão o grande espetáculo que seus olhos jamais viram. O grande charme da nova era.
Vamos trabalhar mais e reclamar menos, o jaguar quando fica devarde seus pensamentos caem do padrão e se arrastam como serpente procurando suas vítimas.
Lembrem que Seta Branca não descansa, ele trabalha.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
02.10.2019

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas