ZÉ NAVALHA

ZÉ NAVALHA
Os matadores de branco.
A investigação se dá na regressão da consciência. É como um banco de dados que fica por séculos armazenado na memória astral.
Nesta viagem fui desvendar o ponto crucial de uma vida de caprichos, onde estes homens vestidos de branco eram barbeiros que recebiam para matar os inimigos e até amigos dos mandantes.
O filho do chefe dos barbeiros se negava a participar e foi jurado pelo seu pai, pois não cumpriu com uma ordem. Quando seu pai ficou sabendo chamou outro barbeiro para matar ele. Tavam ainda dentro da casa tramando quando o rapaz percebeu e saiu correndo se esconder atrás da casa. O matador percebeu e tão logo foi pelo outro lado tentando emboscá-lo. Uma coisa, todos usavam lenços brancos de seda amarrados no pescoço.
O homem foi atrás, mas como o rapaz estava vigiando conseguiu se safar. Pegou uns pedaços de pedra do chão e atirou conseguindo imobilizá-lo. Pegou a navalha de sua mão e cortou os tendões dos braços tirando seus movimentos, não matou.
Seu pai olhava pela janela e expressava orgulho de ver seu filho agindo da forma que ele queria, mas não colocava suas mãos para defender, tinha que ser homem.
Para mim ele era um jovem de uns 17 anos mais ou menos. No mundo dos espíritos eles ainda estão presos ao passado, continuam sendo os mesmos matadores. São boêmios, se vestem de branco, usam lenços de seda e nas mãos suas navalhas afiadas.
Ao chegar onde são convidados eles chegam rodando e gritam.
_ Cheguei!
São cheios de cicatrizes e muitos são deformados.
O Zé da navalha era o líder destes homens na terra e acharam na máfia recursos para crescerem. O executores que ninguém conhecia. Num período os homens começaram a deixar crescer a barba com medo de serem degolados. Quem não fazia em casa na rua nem pensar.
Eu saí deste domínio, não sei se o filho do navalha conseguiu sobreviver. Mas até hoje estes espíritos são perigosos e agem na calada da noite, todos portam estes instrumentos em suas mãos. Diria que é castigo, mas não, eles ainda tem prazer em fazer o que faziam.
Falange perigosa.
Voltei vendo o rosto de desespero do rapaz tentando evitar sua morte. Sabia que um dia ou outro seria emboscado. Engraçado que eles não tem barba, são lisos.
Quando chamados por seus chefes chegam na roda do seu corpo, quando você vê eles estão na sua frente. São falange, mas trabalham sozinhos. Quando um não cumpre ele da vez a outro e são infalíveis.
O chefe que eu conheci é frio em suas decisões. Não importa quem, desde que seja cumprido a honra da palavra.
O exu Zé Navalha é chamado por outros exus para resolver pendências difíceis de serem resolvidas.
Não brinquem com este povo, quem se endivida com eles jamais terá paz de espírito. Muitos estão sendo vítimas das alucinações materiais e indo de encontro com espíritos nesta condição. Quem conhece pode avaliar a verdade. A magia é neutra, quem a faz boa ou ruim é quem tem interesse particular.
Vejam como atua este exu, ele chega numa vitima e espiritualmente corta os tendões do espírito deixando ele sem forças para lutar pela vida. Ele vai morrer minguando sentado numa cadeira ou sofá.
O exu fez sua parte e não fica esperando a morte chegar, ele vai embora, outros espíritos se aproveitam para sugar a energia que restou.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
22.09.2019

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas