CAMINHO DIFÍCIL

CAMINHO DIFÍCIL
A missão do jaguar é o socorro espiritual, não importa onde, quem, e como será feito.
Descemos em três, fomos em uma missão tão difícil, tão perigosa que os espíritos envolvidos não poderiam saber o que iríamos fazer. Chegamos em um plano que parecia uma favela espiritual. Tudo desorganizado, becos estreitos, tudo esquisito.
Nesta viagem era para resgatar uma jovem que estava presa neste mundo. Ela não fazia parte, mas se envolveu emocionalmente com um homem e caiu nas garras do destino. A cada descida mais perigoso ficava, mas mesmo assim fomos com cara e coragem.
Chegando no final deste caminho entramos num barraco onde ela estava sentada num trapiche envolta em panos. Uma alma triste, sem esperança, escravizada pela marginalização. Os espíritos se julgam donos de outros e mesmo o tal amor a levou para este fim.
Era coisa rápida, não poderíamos demorar e nem falar, somente com ela. Achei a solução de tirar ela de lá, estávamos precisando de uma guia, pois nem ela sabia que seria elevada. Os espíritos foram chegando e já falando que haveria uma festa nos arredores e todos iriam. Eles perguntaram o que fazíamos alí, eu respondi que nos perdemos. Convidamos a moça e com consentimento deles ela foi nos levando. Agora era ela que nos resgatava. Saímos, nossa, que confusão, que lugar era esse. Conforme íamos subindo mais claro ia ficando. Mas eu tinha que voltar, algo ficou para trás. Voltei sozinho, minha filha e esposa foram levando e sendo levadas pela jovem.
Eu olhei para trás e vi quando a luz as envolveram, bom, estavam seguras, em proteção.
Eu desci de novo, me aprofundei e a escuridão fechou em mim. Graças a Deus que a jovem foi resgatada sem problemas.
Não soube o destino dela e para onde foi levada.
Chegamos em casa de madrugada depois de uma grande tempestade.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
19.09.2019

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas