DOIDICE

DOIDICE
Estou fora do templo, na casa de minha filha e comecei a sentir uma agonia danada.
Sem poder sentar nem ficar em pé, alguma coisa estava acontecendo. Naquele momento de agonia tudo fica escondido, mas não por muito tempo.
Surgiu, então, um espírito de uma advogada desencarnada. Ela não está em bom lugar, vestida de branco, camisolão, não conseguia dizer seu nome. Eu a conheci em vida, mas já faz anos que morreu. Tentei rever na memória seu nome e não surgiu, mas ela está ali parada num caminho escuro. Ela era do Vale, ninfa lua, e veio na minha sintonia. Aqui estou tentando lembrar seu nome da terra e incrível que pareça não lembro.
Ela morava no Rio de Janeiro e teve um mal súbito deixando esta vida muito rápido. Deixou assuntos pendentes e agora está procurando ajuda.
Como ela me conhecia veio buscar esta oportunidade de reaver os laços de amizade, só que agora em outro plano. Vou ajudar, sim, no templo, na casa do seu pai. Talvez queira contato com sua filha para encaminhar o que ficou sem resolver.
Bom, espero que sua filha leia esta passagem e de atenção especial ao assunto referido.
Tentei lembrar seu nome e nada. Ela não fala, parece estar com a boca costurada, fechada.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
17.09.2019

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas