MANUAL RASEA

MANUAL RASEA
A notícia correu como vento. Eu fui atrás e depois de procurar fiquei sabendo que não era um manual, mas um diário de bordo. Nele estavam descritos em linguagem estranha e não decifrável códigos do sistema sideral. Eu não sei se o nome era Rasea ou Rhasea, mas era de um comandante estelar.
Nesta viagem tentando descobrir este diário que foi deixado na terra em lugar incerto eu passei por muitos lugares. Chegando em Brasília, templo mãe, eu tive um arranca rabo com alguns sujeitos que carregam o nome da doutrina, mas são trapaceiros. Estava passando em frente a casa de um deles quando saíam da casa e embarcaram no carro. Dois na frente e a mulher atrás. O do volante me viu e querendo me desfazer falou para o homem negro ao seu lado. Eu não ouvi direito, mas o homem negro olhou para mim e repetiu. Eu parei ao lado dele e bati com força na porta onde fica o vidro. Ele levou um susto e eu lhe disse:
_ Jornalista Betezek!
O homem ficou branco, não disse um ai. O outro perdeu o rebolado e a mulher se encolheu no banco.
Eu não sou assim. Eu sou pela paz e amor, mas tem certas coisas que a voz da razão deve manter o respeito. Se você deixar alguém montar cavalo, você nunca será valorizado. Somos humildes, mas nunca humilhados.
Deixei eles ali e segui na busca do diário. Garanto para todos que uma pessoa deste tipo não pode estar onde está.
A destruição de tudo vai arrastar muita gente junto. É mais fácil conquistar as pessoas pelo lado negro a que viver a vida do Cristo.
Todos falam Jesus, Jesus, mas são palavras que não ecoam, são secas e sem força. Não atingem os mundos de Deus Pai Todo Poderoso.
A quem querem enganar!
A vida continua e os maus estão proliferando como erva daninha. Isso para mim não é carmico, mas é falta de conhecimento da verdade.
Salve Deus!
Adjunto Apurê
An-Selmo Rá
03.09.2019

× Contato!
Pular para a barra de ferramentas