JUSTIÇA FATAL…

Salve Deus!

 

Se dizendo justiça os três vieram por cima dos telhados e não pela rua principal.

 

Os mesmos espíritos que vieram a três dias atrás, agora vieram de forma diferente, como ladrões, como querendo matar a nossa missão. Eu, vendo eles chegarem, fiquei de honra e guarda na frente da outra casa aqui no vale, então eles vinham pulando pelas casas até que ao me verem, eu os repreendi.

_ Porque não vieram pela rua!

_ Não queremos ser pegos! Mas você nos viu!

_ O que querem aqui!

_ Queremos o que você já sabe!

 

Foi então que se formou um alaruê. O espírito mais magro e mais ousado veio para cima, enquanto os dois outros ficaram somente olhando. Se atracamos, fomos parar no meio do mato, perto do poço de água. Naquele momento eu criei uma força tão grande que arranquei o mais ousado pela mata e os outros dois vendo que não teriam o que queriam foram saindo devagar, mas sempre olhando para trás.

 

O homem magro eu já prestei atenção de quem era, mas eu vou pedir ao Pai Seta Branca que tome de conta, porque o tempo de brincar já passou e agora eu preciso que seja resolvida esta questão. Estão brincando demais com a nossa responsabilidade, coisa que não fazemos nem a um animal, que merece muito mais apreço que muitos seres racionais irracionais.

 

Conforme o desprezo e a falta de consideração espiritual e material eu nunca pedi ao mundo espiritual uma reação para evitar um confronto maior. Mas os espíritos sem procedência, sem caráter e sem escrúpulos estão se articulando para nos atacar e nos desmoralizar perante a sociedade. Depois não adianta chorar o leite derramado.

 

Os nossos trabalhos mediúnicos são pela paz e harmonia do sol interior, nunca pela dor, pela revolta. Os nossos desejos são pela espiritualização de todos os seres desta terra, mas tem os que se acham no direito de escolher seus destinos, a estes pouco nos importa, pois o livre arbítrio é uma coisa respeitada, desde que se respeite o nosso direito.

 

Agora querem nos pegar de surpresa, vindo por cima dos telhados como ladrões escondidos no silêncio das mentes, há, isso não, eu estou vigiando os passos de todos que se projetam mentalmente para cá. Eu não durmo no ponto, mas também não fico esperando o céu cair na cabeça.

 

Brincar com a missão, com a nossa missão, com a nossa casa de Seta Branca. Os jaguares devem ter em mente que no templo tem que haver energia viva de um representante de honra e guarda para não deixar os invasores do espaço tomarem conta. Quando um jaguar mora no local ele representa seu cavaleiro ali naquele momento. Um cavaleiro, com ele não se brinca, e nem se afasta do caminho.

 

Os espíritos estão querendo brincar de poderosos justamente com a casa de Simiromba de Deus, Seta Branca nosso pai. Eu não vou deixar e nem permitir, posso até me endividar por agir pela força bruta e pela responsabilidade, mas destruir não vou deixar. Sabe quando você deixa de ser vítima e passa a ser cobrador das responsabilidades, sim, sempre fomos vítimas de uma situação, mas agora devemos agir em prol da verdade. Somente a verdade vos libertará, disse Jesus.

 

Os espíritos estão cobrando demais e se eles não forem acordados de suas verdades vão continuar por mais mil anos na mesma condição. A voz da razão será dentro do amor incondicional a salvação de todos. Disse Jesus: Vá e não peque mais.

 

Uma coisa que me chamou atenção nos trabalhos. Rei Hórus. Espíritos doentes e esquizofrênicos estão chegando a doutrina e com eles muita enfermidade vai descer na terra. Eles já estão atuando nos seres humanos habituais, sem força mediúnica. Somente os trabalhos poderá libertá-los de uma obsessão. Vai começar aos poucos a irradiação mental e com isso os neurônios irão aos poucos sendo destruindo. Até chegar a última camada de proteção, perispírito, aí não haverá retorno.

 

Primeiro nos mais poderosos e assim aquilo vai descendo aos poucos até atingir os menores seres. Jaguares, mestres, a hora está perigosa de seguir outra estrada. A morte será somente uma consequência para aliviar a dor, porque serão tantos pedidos para desencarnar que eu fiquei assustado. Porque não dedicar um tempinho de sua vida para seu espírito, para sua evolução. Nós já trabalhamos tão pouco e horas chegarão que não haverá tempo de recuperar o que foi deixado para trás.

 

Os jaguares estão se materializando tanto que seus espíritos poderão partir antes do tempo. Tudo para não se endividarem mais com este mundo material. Vocês não sabem o que seja fisico e espirito, porque existe uma separação de identidade. Muitas vezes os espíritos choram pelos seus corpos físicos. Tiveram esta rica oportunidade de reencarnar e aqui o físico não resplandece o que o espírito jurou. Aí vem as turbulências que se alastram pela vida social, material, familiar e trabalho. Depois correm para o colo dos mentores em busca de respostas, mas porque não fizeram sua parte antes de chegar a este ponto.

 

Não quero meter meu dedo na ferida de ninguém, mas eu não rezo a cartilha dos oportunistas que jogam sobre os ombros dos outros seus problemas. Eu faço a minha parte assim como todos devem fazer. Não peçam para que outros assumam seus karmas, porque se alguém carregar a tua cruz não sobrará nada para você fazer. E não tendo nada não resta nada para o espírito aqui na terra, então ele vai embora.

 

Muitas vezes o próprio espírito do encarnado promove o seu desencarne. Vejam como é sério essa parte, porque se o espírito jurou uma missão e ele não está cumprindo, ele está perdendo a sua oportunidade de evoluir. Podemos evoluir em dois mundos, terra e céu, desde que os dois caminhem juntos.

 

Tenho visto uma incorporação nos tronos em que o mentor busca o eu interior do paciente ou médium deixando o próprio espírito do encarnado chamar na razão a sua matéria. Nada mais que ele mesmo travando uma luta para que salve a sua vida. Eu não posso deixar de comentar esses fatos, porque é a mais pura verdade. A verdade não se esconde embaixo da cama, ela tem que ser a luz que brilha acima dela.

 

Honra e guarda!

 

Salve Deus!

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

14.06.2018

, , ,

Deixe uma resposta