REINO DE PAZ E PROSPERIDADE…

Salve Deus!

Nossas vidas estão atreladas aos passados mais distantes e registrados na memória do espirito.

Esta noite, uma passagem que marcou um reinado, pois este rei era um tirano vestido de homem. Todos os reinados próximos tinham medo da sua astucia e viviam em combate direto, porque ele era um conquistador. Com isso todos detestavam e ele para marcar mais esta encarnação varria com seu exército os condados. Tudo ele tomava pela força e ninguém mais tinha descanso. Até mesmo os que ele empossava outorgando títulos de nobreza não ficavam fora dos seus limites. Caso aquele nobre se voltasse contra sua tirania ele mandava seus soldados destruir tudo.

Um dia em um confronto ele fora ferido por uma espada. Já na beira do leito sem forças para viver ele viu uma luz. Ela veio a cabeceira do leito e falou em seu coração. Naquele instante ele repensou sua história e enviou mensageiros a todos os reinos para que viessem se despedir. Os nobres viram então uma forma de despedida e assim tomaram direção do castelo. Chegando lá, o rei maribondo estava sentado em seu trono, mas não morto, estava mais vivo agora que nunca. Foi um impasse que tomou as mentes e tão logo já queriam sair com medo da reação.

Antes que todos saíssem do grande salão, as portas foram fechadas e os soldados enfileirados tomaram posição. Foi um medo terrível, pensavam que iriam ser executados. Mas naquele momento o rei começou a cumprimentar um por um. Os olhares se dispersavam pela transformação do rei. Com muita calma ele pediu perdão a todos e assim cada um recebeu o que lhes fora tirado. Até o reinado mais distante recebeu sua parcela.

Houve ali a reparação de um erro. O rei quando recebeu aquela luz em seu leito viu que a vida não é nada para se travar uma luta contra a morte. Foi lhe dada a última oportunidade de refazer a sua história, tomar outra direção, resgatar seus domínios, mas por amor e não pela dor. Foi então que ele reunificou seu reinado pela paz e misericórdia. Aquele rei temido pela sua bravura agora era um rei ímpio. Todos ficaram tão admirados que se unificaram em torno de sua promessa.

O reinado se transformou em uma paz tão grande que ninguém mais acreditaria que houvesse esperança. O povo recebeu esta dadiva, recebeu os bônus de uma herança, e ali, não havia mais nobres, havia irmãos.

Eu fiquei impressionado com esta visão, com esta viagem, e olhando para nós aqui neste reinado absoluto, onde temos nobres e plebeus, todos vivendo sob o mesmo teto, nosso céu espiritual, sem distinção de quem é quem, nossos reis ainda são pobres em suas analogias. Eles não reunificam por um motivo, como deste rei, medo de perder a sua autoridade. Para que serve reis sem povo, sem atribuição especifica. A terra marca um caminho que se volta para as dívidas das decisões tomadas sem olhar para o firmamento. Enquanto o povo padece eles brindam com seus cálices de ouro.

Reis e rainhas. Todos estão no mesmo barco e se ele afundar todos vão morrer juntos. Então, porque não se levantar a bandeira que brilha no coração de todos. Olhar e festejar com os demais buscando as respostas que todos precisam ouvir.

O rei recebeu a luz em seu coração e ela o salvou como promessa de mudança. Ele, vendo a morte de perto, aceitou a sua redenção chamando seus inimigos para um diálogo. O que aconteceu após esta reunificação foi que tudo cresceu, tudo melhorou, ninguém mais padeceu pela fome, pela miséria.

Voltei. Cheguei agora pela manhã e fui cultivar este primeiro de maio de 2018 com uma força tão sublime dentro do peito, acreditando no amanhã. Coragem, liberdade e caridade. Os homens criam seus destinos e eles mesmos deverão colher suas palavras.

Que todos sejam felizes em seus mundos, em seus templos, em suas cidades.

Salve Deus!

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

01.05.2018

 

 

 

Deixe uma resposta