MÃE E FILHO

 

Salve Deus!

 

 

São poucos os que estão deixando suas biografias.

 

Recebemos duas visitas. Mãe e filho do amanhecer vieram nos conhecer, conhecer nossa missão, nossa vida e nossa obra. Foi uma surpresa, sim, porque sempre nós fazemos surpresas para os demais, mas desta vez nós é que fomos surpreendidos.

 

Eles chegaram e a nossa casa espiritual estava cheia, estavam todos da família de Pai João de Enoque reunidos para avançar os limites da perfeita obra que se propaga nesta dimensão. Os contrastes das realizações são tão contundentes que marcam cada pessoa nesta contagem.

 

Eu estava traduzindo uns escritos da missão. Mas uma coisa que me deixou apreensivo com o sacerdócio de cada jaguar. Todos só falam o que aprenderam e não o que compreenderam. Falam o que leram, mas não absorveram. Falam nisso e naquilo, mas não sabem a extensão do objetivo alcançado ou ser alcançado.

 

Eu só vejo desunião por vários motivos pessoais dentro de uma linha orientada pela escolha de a ou b. Não vejo ninguém se evoluindo, mas vejo em cada coração a amargura tomando conta de seus olhos. O que eu vejo é a massificação dos projetos deixados, mas sem coragem de assumir sua obra evolutiva pisam nas pétalas esmagando o conteúdo e exaurindo amago da vida.

 

Quem de todos vocês que desarmonizados deixou uma mínima linha de conhecimento além do que ouviu, viu e sentiu. Só falam na lei, mas não a interpretam na sua singularidade atômica etérica. Por isso esta jovem mãe e seu filho vieram buscar aqui em nossas missões. Vieram com suas bagagens cerceadas pelo desprezo, pela razão contraposta, vieram em busca da libertação do eu exterior e interior.

 

Sentaram-se na sala e ali começou uma aula desmistificando a causa, porque os comandos superiores nos sustentam nesta partida iniciática da nova era. O rapaz estava com seus olhos brilhando, ele queria conhecer os efeitos das reencarnações. Queria conhecer o que fora escondido de sua manifestação mediúnica. Os dois ainda estão encarnados na terra, mas seus corações pulsavam forte para nos conhecer nesta terra de Aruanda.

 

Poucas palavras dentro da individualidade são como chaves que pelo raciocínio abre os segredos da magia. Uma só palavra direta é como raízes profundas que se estendem pelo sólido seco deixando sulcos por onde a seiva correrá. Assim se forma o conhecimento da nossa verdade. Pelos sulcos deixando pelas raízes que se espalham pelo coração.

 

Eles vieram atrás de conhecimento, de preparação, de amor e prosperidade dos espíritos que não marcaram presença. Para ter um começo tem que marcar sua presença através da sua individualidade astral. Se ficar somente na terra dos desejos nunca chegará ao supremo. Do que adianta discutir ciência sem ter base para isso. Primeiro as formaturas para depois a profissionalização.

 

A clarividente do amanhecer abriu uma porta direta, mas todos estão com medo de levar a frente os segredos que ela entregou neste caminho. Todos são somente leitores e não estão deixando nada de sua obra. Eu pergunto: você sabe o que está fazendo neste amanhecer, sabe exatamente da sua presença neste solo sagrado? Cadê sua biografia, ou simplesmente como veio voltará.

 

Neiva deixou uma literatura perfeita para todos terem um começo e não um fim. Mas ainda não se atentou para o maior objetivo de suas missões, evolução e não involução. Ela partiu e voltou, voltou para cientificar o que cada um fez de sua matriz energética. Todos conhecem a sua biografia humana e espiritual, mas em minha opinião está sendo jogada no espaço do vazio mental, não está impregnada no coração. Uma terra sem produção alguma de novas sementes.

 

Se uma sementinha não vingar ela deixará de produzir os efeitos necessários da verdade. Falar é fácil, porque o mais difícil foi superado. O ceifador de promessas está com sua foice na mão e ela está mais afiada que de outras oportunidades.

 

Assim este jovem ia delirando com a movimentação do conhecimento. Os segredos das reencarnações que poucos sabem de sua amplitude. Um espírito que desencarna tendo uma missão pode retornar para terminar. Principalmente sendo um espírito com merecimentos altíssimos, não escravizados, não submissos. A terra só completa seu lado oposto tendo conhecimento da transformação.

 

A mãe por sua vez estava com meu povo, minha família. A missão dela foi trazer seu filho para esta reunião e assim formar seu espírito para as novas batalhas contra os preconceitos que existem diante das três portas. Preconceito individualizado pela necessidade de escravizar os sentimentos. Todos ainda são escravos de uma grande ideia, mas o dia que se libertarem verão a profundidade do que trata esta linha evangelizadora.

 

A doutrina não é presa pelos laços sentimentais, ela é uma perfeita obra da sincronia universal. Plante a sua semente e deixe-a desabrochar. Deixe-a crescer, ramificar e sustentar o cálice da vida eterna sabendo que seus pés estão nesta terra. Como disse o Cavaleiro Verde Especial: Meu filho! Deixe seus pés sentirem esta terra em que pisa! Fale de dentro para fora! Fale com seu coração a sua missão se espiritualizando e espiritualizando seus irmãos!

 

Deixo este recado para meus irmãos. A reunião foi seguindo até o raiar dos primeiros sinais do sol no horizonte. Quem são estes dois, não sei, são irmãos que precisavam desta oportunidade de refazer sua caminhada. Não podemos identificar os viajantes do espaço, mas conduzi-los elegantemente para suas obras, seus destinos.

 

Antes que fiquem cegos é preciso abrir os olhos do espírito.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

20.01.2018

 

Sair da nossa lista:

Receber/Deletar

, ,

Deixe uma resposta