REUNIÃO

Salve Deus!

 

As coisas vão se desenrolando, vão tomando formas curiosas e fomentando a responsabilidade vão se alinhando ao centro emissor.

 

Eu e minha ninfa estivemos em uma reunião fora do contexto físico. Nesta formação do homem luz e dentro das prerrogativas que nos chamam pela consciência reportamos nossos ais, nossas conquistas e derrotas. O que mais me chamou a atenção foi que, os jaguares mais arredios estavam complacentes com a nossa história.

 

O viver nesta condição sublime das manifestações mediúnicas nos revela quem somos, sim, porque na terra os efeitos materialistas são a tragédia dos encarnados que bate de frente com a grande muralha do desconhecido mundo invisível. Por ser invisível não quer dizer que não haja paredes, mas elas são criadas dentro de cada individualidade. Se você tem uma porta para abrir ela só vai ser ultrapassada pelo seu conhecimento.

 

Chegamos nesta reunião com outros que comporiam este cenário dantesco do brilho no tombadilho fazendo o balanço da reflexão. Os homens desta terra se prendem muito pelo lado físico, material, e não abrem sua janela do tempo no espaço de sua evolução. Ao ver toda aquela condição de exemplos positivos e negativos, depositamos a bolsa com os conflitos naturais das consequências que envolvem as vidas.

 

A grande verdade, meus irmãos, é que as pessoas só ouvem um lado da história. Elas buscam agredir uma parte sem primeiro ouvir todas. Mesmo na justiça da terra se ouve as duas partes, porque se assim não fosse estaria criando um peso extra na balança. A balança deve ficar sempre na horizontal, dois pesos e duas medidas.

 

Com o relatório na bolsa o jaguar não esperava nossa presença. A reunião foi convocada pelo mundo dos espíritos e não tinha como não acontecer. A exatidão desta natureza contrapõe ao interesse pessoal, porque para desativar o comando de uma força há que ter consciência de suas atividades.

 

Os jaguares ainda não acordaram para a instrumentação do coração. Tudo é tão prefeito e com uma precisão cirúrgica eles atuam como anjos que secretamente aliviam a turbulência do sol interior.

 

Vou ser mais objetivo. O comando central estava julgando o comando inferior, sem ao menos ouvir a razão que se tornou sombria, pois o delator fez a sua confissão esquecendo que são dois destinos, dois caminhos. Pensando em destruir a luz ele se aliou as trevas. As trevas, por sua vez, querendo este conflito para desarmonizar a luz, canalizaram todas as formas possíveis de aberrações pela contradição. O pai mata o filho e o filho mata o pai. Ele, o delator, por conseguinte sairia ileso desta armação, porque o intento era justamente se apoderar dos resquícios que sobrariam. Como disse Jesus, ninguém reconstrói sobre os escombros.

 

A missão então perderia sua essência divina, pois as trevas adentrariam a casa do pai pelo filho que preferiu a escuridão há luz. Eu fui com minha ninfa para sermos julgados e não para julgarmos. Não obstante a nossa formação não seria necessária esta condição de sofrermos o veneno das serpentes, mas seguindo o caminho da verdade, porque somente a verdade nos libertará, sentamos no banco dos réus. Naquele instante o grande tribunal de Aragana se formou, porque ao sermos julgados eles também seriam na mesma condição. A verdade sobre as cabeças infernais.

 

Quando tudo estava para começar, os portais se abriram e como flash de luz as imagens se transpassavam pelos olhos do firmamento. Pensando fazerem o certo estavam induzidos ao erro. O julgamento então foi cancelado pela condição das partes não serem testemunhas de uma geração, mas de um único ser negro com olhos arregalados pela sua injustiça.

 

Olhando para aquele ser ele tinha cara de sapo. Ele estava escondido para não descobrirem sua maldade. Ao longe ele articulava sua maldade e criava situações embaraçosas para os demais centuriões que se mantinham de honra e guarda. Mesmo sendo filho de um pai consciente ele estava sujo, estava com sua aura impregnada pela vingança, pela dor e pela degeneração espiritual.

 

O cara de sapo investiu tudo que tinha, seus bônus, para destruir a casa do seu pai. O óleo mais fedido é o da morte, porque ele derrete tudo que foi deixado sobre o corpo físico. Mas o pai por sua bondade não abandona seu filho, pois a missão dele é resgatar os que estão ainda presos na sua condição sofredora.

 

Um jaguar aliado ao mundo das trevas. Como vai ser triste este mundo quando as luzes se apagarem. Não haverá amor e sim razão. Somos todos condicionados ao bem ou ao mau, sim, pela vida sofredora encarnada sentimos as ferroadas das vespas. Mas estas ferroadas podem ser como vacinas para nossa libertação. Aquele que for ferroado pelo destino e com amor não cair do seu padrão receberá a sua cura. Todos lembram da vacina de Mãe Iara, quando ela chamou todos junto à clarividente e disse que iriam ser vacinados. Não ficou ninguém sem receber sua dose.

 

A reunião foi assim, a verdade plena, mas somente divergindo pela falta do acusador. Ele, cara de sapo, fomentou este tribunal e não veio para acusar, se escondeu pensando ter atingido sua maldade. O tribunal, por sua vez, ouviu nossas prerrogativas e sem tomar partido, isenção total, nos libertou de todas as ofensas criadas. Ao deixarmos nosso relatório sobre a pedra fria, esquife, nós viramos nossas costas e seguimos nosso roteiro. O cara de sapo ficou mais revoltado, porque não conseguiu firmar seus intentos, não conseguiu destruir pelo ódio, pois mais uma vez o amor venceu.

 

Ao passarmos por ele com aqueles olhos esbugalhados pela negatividade do seu ser, não demos trela, seguimos firmes e fortes para nossa missão. O tribunal mais uma vez anunciou a libertação e não a condenação. Ele não compareceu ao tribunal, talvez pelo medo de ser julgado, porque ele mesmo formou este julgamento.

 

Quando o tribunal julga, não há inocentes e nem culpados, eles vão julgar pelas provas. Nós levamos as provas e ele somente fomentou a discórdia. Eis ai como funciona as coisas no céu, neste céu espiritual, por onde temos toda a assistência espiritual para nossa caminhada.

 

Uma coisa eu peço para meus irmãos. Não criem situações embaraçosas para suas vidas, pois temos dois tribunais, o da terra e o do céu. Quando um julga o outro considera. Assim na terra como no céu, disse Jesus.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

30.12.2017

 

Sair da nossa lista:

Receber/Deletar

Deixe uma resposta