MÉDIUM SENSITIVO

Salve Deus!

O médium sensitivo é algo fora do comum, pois ele determina o grau de responsabilidade que se exerce pela mediunidade.

A sensibilidade torna o médium um polo atrativo para descargas aleatórias, forças que se movem em determinadas camadas e são atraídas pela aproximação. Quando tem um médium sensitivo perto de algum problema, ele atrai este problema e passa a viver esta condição. Geralmente são só dores, porque a infelicidade irradia de dentro para fora, enquanto a felicidade é de fora para dentro. A felicidade não vibra, ela emite, não é como a dor, a infelicidade que vibra e não emite.

Vejam bem, no caso de uma dor resultante da necessidade, ela vai se acumulando no mental e passa a irradiar nos sentidos aguçados e quando ali perto tem uma pessoa com aura aberta ela não consegue fechar a sua porta. É como receber uma visita indesejada, um ilustre visitante desconhecido que se apodera do seu coração, do seu físico.

Ao uma pessoa vibrar no descontentamento de sua felicidade, ela emite para longe de sua memoria os seus ais, e quando encontra outra situação descarrega para o recipiente que não é seu. A dor então passa a ser dividida ou completamente absorvida pela sensibilidade.

Mediunidade sensitiva é como carregar a cruz dos outros. No começo foi muito difícil entender esta situação, porque na ânsia de ajudar ao próximo acabamos carregando a sua dor, o seu Karma. Eu sofri muito pela ausência do conhecimento, ninguém havia me explicado coisa alguma sobre os efeitos desta mediunidade. Tive que apanhar muito para poder separar os dons, a força vibradora da geradora.

Quando por fim eu dei conta desta complexidade eu me aproximei dos planos luminosos e somente de lá eu pude registrar os efeitos da transição. Uma noite eu sai carregado pela dor dos outros e ao chegar nesta faixa cíclica o mentor fez um descarrego. Ele limpou meu espirito daquela crosta negativa. Ele me ensinou a fechar esta porta, mas mesmo assim, por descuido a gente ainda se deixa contaminar.

A dor dos outros passa a ser a nossa dor. Isso que me deixava atônito pela semelhança das causas, é como um espelho, parecia que não era eu e sim aquela pessoa enferma. Num pequeno cálice de oferendas eu depositei minhas lagrimas que foram sacudidas pela força de um poder divino. Elas se tornaram como um vapor fino que sendo absorvido pela essência formaram um caminho. Dentro das matas frondosas eu aprendi a manipular esta essência que trouxe para meu aleda. É a força básica de uma geração discreta, Povo das Matas Frondosas, efeito curador.

Das raízes até o caule passando pelas folhas eu resumi meu mundo e olha que eu não compreendo bem o uso da medicina natural, mas o que aconteceu ali foi a manipulação da essência espiritual e não física. Retirando da maturação resultante pela lágrima dentro daquele cálice com as ervas medicinais, eu ingeri o concentrado, sim, a cura pela ciência da natureza.

Existem métodos aplicáveis que se tornam vitais nesta evolução do homem pelas mãos da divina sabedoria. Devas, senhores da transformação, linhagem perfeita entre os deuses e os seres habituais encarnados. Não os devas que conhecemos, mas os devas essenciais, os donos da verdade. Os homens se intitulam devas sem conhecer a finco o que são estes seres mitológicos, qual finalidade, qual sua natureza nos paralelos que se avizinham a cabala.

Para se tornar um bom devas é preciso conhecer a ciência na sua extensão, não simplesmente se tornar um capricho humano, mas se tornar um poder pela essência desta natureza.

Os médiuns sensitivos sempre estão acabados, tristes, e sem energia. Eles são sugados em suas entranhas, porque ao receber uma carga a força atua para regenerar, sempre pensativos com suas mentes ao longe, se aprofundam na necessidade de acomodar esta cultura pela razão.

Vendo a multiplicação dos fenômenos supracitados vemos então o deslocamento da mente através dos portais, Estes portais se ligam pela condição de compreender sua criatividade. Criar o poder pela manifestação silenciosa da luz e fazer esta luz se expandir tão rápido que se transforma em energia. Quando um feixe de luz se desloca no invisível mundo ele atravessa as camadas e isso cria um campo de força. A complexidade disso resulta na concentração atômica. Alguns feixes se transformam em plasma, queimam sem haver fogo, demonstrando que ali tem uma porta, outra dimensão. Veremos isso se aproximar da terra, haverá fumaça, mas não veremos fogo. É o que está descrito na mensagem de Seta Branca.

Bom, vou deixar aqui uma narrativa para que todos formem seus pensamentos e busquem respostas.

Salve Deus!

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

25.12.2017

Deixe uma resposta