FALANGE DAS ESTRADAS

Salve Deus!

 

Devemos, em primeiro, ter muita consciência sobre nossas viagens e passeios pelas estradas.

 

Eu estive esta noite vendo um quadro diferente no aspecto humano espiritual. Chegando em uma BR eu vi se formar um corredor esquisito. Eram energias esparsas que estavam se deslocando com o movimento dos veículos. Eram crostas presas, sedimentadas. Pelo movimento e velocidade os carros transitavam, aquilo tudo parecia um redemoinho.

 

Fui mais perto para conhecer. Olhando assim de cima era um caminho ectoplasmático, mas de perto se via a concentração de tudo que as pessoas presas naquela couraça de aço estavam levando em seus corações. Pensamentos, dúvidas, dores, alegrias, enfim, os mais diversos pensamentos. Aquela BR era um corredor de energias estagnadas. Chegava a brilhar pela força do movimento, sim, pois quando existe a chamada fricção do éter o ectoplasma se transforma.

 

Seguindo o destino desta BR, mais a frente havia uma falange de espírito perto de uma ponte. Eles estavam ali sob a ponte em uma caverna que se formou, um habitat de sofredores esperando as suas vitimas. Nesta ponte havia um derrame desta energia ectoplasmática humana, ela não passava para o outro lado da BR, mas tudo começava novamente do outro lado com a emissão de mais energia.

 

Ali, então, a energia lançada pelos ocupantes do carro era aproveita de forma a interferir até no sistema físico, causando acidentes e até mortes. Vi como se fosse um buraco negro naquele local onde o carro se desgoverna. Ao chegar mais perto havia zumbidos daqueles espíritos, em linguagem inelegível, faziam a chama das legiões das estradas.

 

Não fiquei com medo, mas também não me aproximei. Deixei-os quietos lá, e pedi que nossas amaces façam o trabalho de recuperação deste trecho. Não fui mais adiante, pois minha missão seria nesta ponte, nesta estrada, retirando o perigo de mais mortes pela falta de sintonia dos passageiros.

 

Subi e fiquei olhando de cima, de um lado para outro, e aquela energia não se dissipava, ela conforme mais viajantes mais aumentava sua carga. Um alimento para certas falanges que se amontoam pelas estradas causando vítimas, pior ainda, quando os ocupantes estão embriagados pelo álcool. Aí é um prato cheio para se matarem.

 

Voltei com esta certeza que as estradas, pelos corredores magnéticos, são causadoras de inúmeros acidentes pela imprudência dos motoristas. Vejam bem, nossas estradas ainda é a maior fonte de alimento para os sofredores. Eles usam desta mesma energia para vitimar as famílias que iriam descansar e passear.

 

Um descuido sequer, uma piscada de olho, isso já basta para cegar qualquer pessoa fazendo ela perder a noção da realidade. É como uma noite escura que se vê as luzes dos veículos formando uma linha. Assim se vê do plano espiritual as BR que tanto tem matado pessoas. Um corredor da morte.

 

Cheguei em casa ainda preocupado com aquela falange. Eles estão ali prontos para criar mais uma tragédia e sugar o ectoplasma vivo pelo sangue derramado.

 

Prestem atenção quem vai viajar. Registrem seus nomes no livro de Pai João de Enoque. Deixe certinho para que estejam protegidos em suas viagens. Não deem sorte para o azar.

 

Boa viagem!

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

10.12.2017

 

Sair da nossa lista:

Receber/Deletar

Deixe uma resposta