CIDADE ESCRAVIZADA

Salve Deus!

 

Quando Pai Seta Branca, ontem à noite, me falou sobre as mudanças, eu nem imaginava o quanto seria decisivo.

 

Depois da festa vem o trabalho incessante para dar continuidade a caridade. Estávamos no templo atendendo os pacientes quando Pai Joaquim de Aruanda pediu para não atender o paciente naquele momento. A surpresa foi à chegada de um espírito milenar, um antigo papa, que domina esta cidade com punhos de ferro. Ainda mantém todos sob sua mira.

 

As palavras dele eu não posso dizer, mas posso contar a sua influencia na vida dos moradores, porque ninguém acredita em Jesus. Falava blasfemando de Jesus e queria fazer um pacto comigo, para que eu nesta casa não falasse no nome do mestre, e eu teria tudo para progredir. Nossa missão não é fazer pacto com os submundos, mas de compactuar com o Divino e Amado Mestre nesta longa caminhada para nos reencontrar.

 

O espírito prometeu tudo e tão pouco não tinha nada para oferecer. Quando ele veio para esta conversa, dizendo palavras de sabedoria, eu fiquei convencido que realmente, este povo aqui tem pouco merecimento para estar neste solo sagrado. Sim, vão as missas todos os domingos e se ajoelham, mas são vazios em seus corações. Em verdade eles não amam Jesus, eles odeiam, fazem as promessas para a sociedade acreditar.

 

Nossa cruz em frente ao templo foi derrubada. Ela está ali no chão à espera de nova missão, a de refazer esta sincronia com os mundos encantados. A cruz branca dos grandes iniciados será implantada no lugar, demonstrando nosso Jesus vivo e resplandecente. Não a cruz preta do testemunho da morte, da revolta, da falsa idolatria, dos desejos pecaminosos de um povo preso aos grilhões da eternidade.

 

O martírio de Jesus foi suficiente para prender estes espíritos nas suas involuções, desde Roma até Campo Largo, Paraná. Só se libertará quando aceitar o Cristo em seus corações. Como foi difícil esta conversa com este papa desencarnado, tendo por missão fechar as portas da cidade.

 

Quando Seta Branca anunciou esta transformação, é porque ele está indo direto ao centro deste poder negro. A sua presença lá e a nossa presença aqui no templo forma um paralelo, descarregando os espíritos para receberem a paz. Foi então que ele indicou o caminho para mostrar a sua casa a este ser sem luz. Simplesmente foi uma doutrina de amor dentro da razão incondicional.

 

O respeito, a sintonia, o conhecimento de que tudo é bom nos revela os segredos da eterna paixão. Os espíritos que dominam esta faixa terrestre estão começando a amolecer seus corações, para que possam conhecer a verdade. O papa não entrou no templo, ficou na porta e de lá ele irradiava para os tronos. Eu pedi ao Pai que em nosso templo sagrado só vai entrar quem realmente tiver amor, quem não tiver ficará vagando.

 

Por isso os espíritos não nos atingem pela força bruta, porque eles somente sintonizam nos trabalhos e recebem a gratidão do corpo mediúnico. Se esta chave iniciática não protegesse os médiuns aparas e doutrinadores, todos seriam escravos do comando milenar. E, olha, tem mestres brincando com coisas sérias. Eu somente fico observando de longe e quando o poder bater de frente, eu quero ver quem é quem.

 

Como o velho papa disse, este povo está em suas mãos, eu faço deles o meu caminho e eles não acreditam neste Jesus.

_ Eu posso arrancar todas estas cruzes desta casa fazendo arrastarem elas de um lado para outro! Aqui nesta cidade ninguém acredita neste Jesus!

Dentro da razão ele foi sendo induzido a respeitar esta casa, porque aqui tem lei e ordem, não é como na casa dele que fazem o que querem.

 

Por isso eu amo esta doutrina, mesmo ele, ontem, quase quebrando minha perna aqui na esquina do vale, eu não escondo a minha felicidade de servir ao comando deste amanhecer. Fisicamente somos pequeninas explosões de cargas desiguais, mas nossos espíritos são enormes cavaleiros verdes especiais. Lembrem-se disso, somos cavaleiros especiais.

 

Vamos acreditar mais em nosso Pai. Vamos sempre estar em seu coração. Nunca devemos subestimar as forças do astral superior, mesmo que eles, vales negros, tentem insinuar a nossa fraqueza, nossos espíritos são fortes e poderosos, pois já vivemos todos os ciclos e roupagens desta vida.

A pior escravidão não é da raça, cor ou posição social, mas a do espirito.

Boa sorte jaguares.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

06.12.2017

 

Sair da nossa lista:

Receber/Deletar

Deixe uma resposta