MÉDIUM DE EFEITO FÍSICO

Salve Deus!

 

Nunca devemos nos tornar cobrador do cobrador.

 

Nesta passagem eu vi que muitos espíritos que nos cobram se tornam também nossas vitimas. Como nos caso deste homem que queria tomar meus pertences, pois dentro da conduta moral e respeitosa desta encarnação, ele não aceitava as minhas palavras. Com as mãos ele segurava algo que era meu e não queria largar de jeito algum. Mesmo usando do amor e do respeito. Quanto mais eu o respeitava mais ele se tornava arredio, pois vendo a minha fraqueza e minha franqueza, aí sim, que ele se aproveitava.

 

Como já não havia mais dialogo dentro de um principio eu comecei a usar a sua tática contra ele mesmo. Foi aí que ele viu que estava cometendo um novo desatino, pois a sua força se voltou contra ele mesmo. Aquela arrogância de dizer que era dele, que ele não iria perdoar acabou e para lhe mostrar o amor dentro da razão, foi preciso mudar a minha condição de pagador para cobrador. Somente em casos específicos devemos mostrar o outro lado da moeda ou face.

 

No mundo espiritual as coisas agem de conformidade ao seu conhecimento, porque temos a técnica através da pratica, e isso vem da antiguidade, onde éramos poderosos senhores da vida e da morte. Lá, havia respeito por uma condição, aqui tem que haver respeito também pela ciência, pela força de um conhecimento: “de que tudo que é bom nos liberta do mal”. Sabá.

 

Foi então que outros espíritos se juntaram a mim nesta roupagem e foram justamente para acabar com esta cobrança. Como não havia amor nos olhos dele, eu chamei a presença da guarda pretoriana. Foi aí que as coisas começaram a mudar de sentido. O espírito cobrador viu que estava na hora de ir embora, fugir dali, mas queria levar com ele os meus pertences. Eu não deixei, segurei firme. Conforme eu ia conversando com ele sobre a vinda dos cavaleiros ele ia amenizando seus intentos. Até que chegou uma hora que já não havia mais condição e ele perdoou. Mas vi que foi um perdão esquisito, por medo, por saber que sua hora de ser conduzido havia chegado.

 

Na verdade eu não havia chamado a guarda, havia somente dito para ele sentir que eu não estava sozinho. Foi uma tática para desmoronar seu ódio e libertar minhas coisas. A sabedoria nos inspira os meios de se chegar ao fim. Quando tudo estava caminhando para o fim do conflito eu o soltei, porque apesar de ser minha vitima do passado ele estava sendo vitima de seu próprio inconformismo. Foi preciso eu ser duro nas palavras para retirar aquela carga negativa do seu coração. Esta é a técnica do amor dentro da razão.

 

Voltando para o físico eu vi que ele tinha sua família ainda presa na sua roupagem. Ele mesmo não os libertava, estavam todos sendo condenados a viver com ele neste mundo sofrido. A reação que tive foi de amor e respeito, mas dentro da lei que nos permite elucidar as cobranças. Só tendo muito conhecimento das forças que podemos tornar nossa missão especifica, senão, ela nos engole e nos tornamos vitimas de nossos próprios destinos.

 

Antigamente, no antigo Egito, nós tínhamos uma longa história de realizações. Mas como todo ser humano se perde pela sua arrogância e vaidade, perdemos uma linda encarnação pelo uso indiscriminado da nossa armadura. Nós nos endeusamos tanto que sobraram somente resquícios da memória de outrora. Eu ainda resgato algumas coisas daquele período expondo na minha literatura para aliviar as tensões do mundo moderno.

 

Tem muita coisa que os médiuns ainda desconhecem, como sendo distorção da mediunidade. Tem muitos médiuns de efeito físico que trabalham na nossa missão e outros fora dela. Tem muita energia acrisolada no material despertando um campo negativo que atrai o que não presta. Como no caso de um lar ser invadido por insetos e outros animais. Neste caso especifico dizemos que foi coisa mandada, porque a inveja e a cobiça fazem acontecer o imprevisto. Quando a energia está boa, dentro da luz, nada se atrai, tudo fica em paz. Mas quando esta energia se transforma em esparsa, aí sim, ela começa a atrair coisas que mostram que o campo espiritual está minado.

 

Eu sempre respeitei as benzedeiras, sim, pois vovó Cambina é uma preta velha de cura, ela benze com amor seus filhos dando a cada criança a sua paz. Um ramo de folhas, ou galho que não de flores ou frutas, torna um veículo essencial para a retirada do quebranto, do olho gordo, vento. Sim, antigamente tínhamos o conhecimento do uso da natureza e agora temos nesta missão. Muitas senhoras que estão no vale ainda detém este dom de usar a natureza em suas rezas para quebrar os encantos negativos.

 

Temos encantos positivos e negativos. Uma coisa me despertou a atenção, quando no Egito houve a epidemia de doenças atingindo tudo e todos, os sacerdotes que conheciam as leis naturais fizeram um rito sagrado para despertar o Deus Sol. Invocando este poder eles percorriam as ruas da cidade impregnando outras energias que combatiam as enfermidades. Egito foi sempre o palco de grandes acontecimentos. Desde a era mais remota até hoje nas esculturas deixadas ainda há resquícios da cultura milenar.

 

Por exemplo: A reza dos três cantos. Essa conduta faz parte do acervo das tradições das benzedeiras que mesmo sem saber a sua verdade invocam esta força para desmanchar feitiços do desencanto. Desencanto é quando uma linha direta se forma no campo da psique humana e ela encharca o caminho com descargas vingativas. Este processo resulta na abertura do lar colocando os piores sentimentos de amargura. Quando os bichos sentem esta energia eles se aproximam, atraindo para dentro do circulo tudo que é ruim. Negativos se alimentam de negativo. Até uma pessoa negativa se alimenta do negativo. Já uma pessoa positiva se afasta do negativo, pois ela se alimenta das coisas boas desta vida. Se você estiver negativo pode saber que irá perder as coisas positivas que conquistou. O negativo impera com um poder descomunal, pois a terra é negativa.

 

Nossos ritos deixados pela clarividente antecedem a esta compreensão, como no caso da reza dos três cantos estar impregnada no abata. O abata nas esquinas tem como processo absorver às correntes negativas que se formam atraindo espíritos sofredores. Já a reza em si, dentro do lar, tem como objetivo retirar os invasores que se proliferam sugando a essência da família.

 

Sempre obedecendo o sistema que pode repelir ou atrair. Temos o nascente do sol e o poente, sim, entra pelo nascente e sai pelo poente. Se você fizer o contrario eles nunca irão embora. Por isso o conhecimento nos faz bem, pois toda força e poder reagente vem pela natureza secreta. Tia nos disse que o poder vem da natureza mesmo. Todo remédio vem pelas plantas e por isso devemos respeitar a nossa natureza.

 

Espero ter ajudado a entender o processo da multiplicação do conhecimento. Se cada um multiplicar seu dom ele vai melhorando com o passar do tempo. Mas nunca façam como eu fiz, quando Pai João de Angola me deu um dom e eu não respeitei sua ordem. Ao me entregar a chave das linhas ele me disse:

_ Meu filho! Nunca deverás cobrar pelo que eu vou lhe ensinar, passar!

 

Mas eu, naquela época, era físico e muito influenciável. Um amigo que se dizia “amigo” me induziu a seguir a velha estrada. Quando me viu desvendando os enigmas, ele começou a me induzir ao erro dizendo que iríamos ganhar muito dinheiro. Este foi um erro muito grande. Deixei-me contaminar pelas suas palavras e quando cobrei pela primeira vez Pai João chegou e me desaprovou. Perdi ali a essência da atividade geradora e passei a pagar pelo erro.

 

Hoje temos que guiar esta imensa nave que sofre o temperamento dos seus ocupantes. Sempre vejam pelo lado bom da nossa missão. Um dia todos vão entender o significado da palavra evolução.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

01.12.2017

 

Sair da nossa lista:

Receber/Deletar

Deixe uma resposta