SOLIDÃO

Salve Deus!

 

A solidão humana mata o sentimento da vida.

 

Eu subi esta noite, mas não tinha uma missão especifica. Fui então visitar um amigo que mora aqui perto. Ele vive sozinho, vive de sua solidão. Mas ao chegar em seu lar eu vi que espiritualmente ele não estava sozinho, estava acompanhado por alguns espíritos que se alojaram em seu lar. Um homem que está perdido na bebida e esses espíritos são seus sugadores.

 

Ao entrar, sim, a porta estava aberta, porque os sofredores tinham livre acesso, pois com seu espírito entorpecido pela bebida ele não mantinha guarda, e assim, eles faziam o que queriam com ele. Mas ao me verem criou uma confusão, sim, pois achavam que eu queria também me apoderar de suas energias ectoplasmática negativas.

 

Eles vieram pra cima de mim e eu dei um grito, Salve Deus, foi como se desse um bofetão no peito deles. Ali mesmo eles saíram correndo e eu fiquei olhando pela porta. Eles se esconderam num buraco que havia sido criado temporalmente perto da árvore do portão. Por ali eles saiam e entravam a hora que quisessem, principalmente quando ele chegava dos bares que frequentava.

 

Ele me conhece, somos da mesma cidade de Irati, estudamos no mesmo seminário, mas aqui em Campo Largo ele se viciou em bebidas. É um bom homem, um bom amigo, mas o tempo de vicio o deixou impregnado pelo álcool. Como sempre eles dizem, eu não sou dependente, posso parar a hora que quiser, mas não é bem assim, há comprometimento espiritual, degradação do espírito, e ainda mais, os amigos invisíveis que necessitam da comidinha fresca a todo o momento.

 

O homem estava arriado em sua cama. Seu espírito se largou por aí, e é justamente nesta fase delicada que corre mais perigo de um desencarne. Com o corpo encharcado ele nem irá sentir a despedida do mundo, mas será escravo destes irmãos sofredores que o desejam.

 

Amigos. Que amigos, pois ao viver em sua solidão nesta terra ele preferiu se aliar a sua condição de suplícios perdendo aos poucos o seu destino karmico se enfiando na contra mão de sua evolução. A terra há de receber de volta o que emprestou e o espírito sem destino certo será entregue aos seus possuidores.

 

Vocês já viram o estouro de uma boiada! Se não, vamos assim dizer, a hora que eu entrei naquela casa houve um estouro. Os espíritos que ali estavam acrisolados saíram se espremendo pela porta da dimensão. Um querendo sair primeiro que o outro. Eu só fiquei olhando e não falei mais nada, além do Salve Deus. Como disse uma vez nossa mãe clarividente para mim, quando lhe contei os casos que aconteciam comigo.

_ Diga assim meu filho: “O que é de Deus fica e o que não é que vá embora”.

 

As muitas conversas espirituais com ela me deixavam num estágio preparatório, sim, nossas mentes conversavam sem se deixar notar pelos olhares da terra. Uma conversa espiritual se dá longe das amarras do mundo físico e pelo olhar um bom entendedor já sabe as respostas.

 

O curso preparatório de 1980 a 1984 foi decisivo para abrir os segredos do espírito. Tivemos o inicio da individualidade astral, principio desconhecido pela personalidade transitória. Os espíritos que recebem esta consagração diante da porta estreita são reconhecidos pela sua distinção em mudar o comportamento da mediunidade. Ao abrir esta casca chegamos o conteúdo que é o segredo da eternidade nas reencarnações.

 

Ao me submeter junto com minha ninfa nesta escola e agora minhas filhas e netos estão comigo, eu posso afirmar que a cultura está ampliando a conquista de novos mundos, a dimensão acaba quando começa aparecer os resultados. Somos parte do sistema que se modela a nossa imagem e semelhança.

 

O alinhamento das mentes que entoam as melodias do céu nesta terra. Todos que trabalham comigo tem esta oportunidade de aprender e compreender. Só não aprende aquele que não quer.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

11.11.2017

 

Sair da nossa lista:

Receber/Deletar

Deixe uma resposta