CRISE

Salve Deus!

 

Sete anos de vacas gordas e sete de magras.

 

A história novamente se repete, pois o Egito (Gênesis 41) já sofrera na história esta passagem, mas através de um jovem que soube interpretar os sonhos do Faraó, eles não sucumbiram e ainda ajudaram a salvar outros países com seus recursos armazenados.

 

A crise é um ciclo momentâneo, é como se fosse uma prova de capacitação, para justamente dar oportunidade dos seres encarnados demonstrarem o que compreenderam em suas jornadas.

 

Esta noite eu fui muito cobrado para falar desta crise existencial, desta manipulação desordenada que foi criada pelo padrão mental. Um quadro quase chegado à esquizofrenia, pois os espíritos em suas agonias não despertam para o lado humanitário. Não há salvação individual, não tem como resolver uma crise pessoal sem que todos da coletividade estejam empenhados em reconstruir o futuro.

 

O que existe realmente é uma crise moral, indivíduos incapacitados pelo destino atravessando a faixa da esperança tentando obter lucros através da falta de honestidade.

 

Os espíritos chegaram totalmente desordenados, cada qual com sua dor, mas a dor era uma só, a falta de amor entre eles os separava em suas linhas. Cada qual queria para si os bônus de uma ilusão material. Eu fiquei calado esperando aquela corrente negativa se desfazer, sim, pois no primeiro momento tudo é um desabafo, depois com calma vamos desfazendo o mal entendido e entrando na verdade.

 

Conforme José ordenou ao Faraó que construísse os silos para armazenar a colheita, aqui também existe a necessidade de construir os silos do amor ao próximo. Nenhum país sai de uma crise sem ajuda de outros, sim, mas a ideologia karmica supera a humildade e isso deixa estagnada a reconstrução do sistema monetário. O que rege um país é a sua facilidade de compreensão, onde cada pessoa se organizando em sua sabedoria pode quebrar esta onda que massacra o destino.

 

Se pararmos agora de buscar forças para superar esta passagem nós vamos morrer as minguas. A adequação material sem exorbitar as condições humanas pode atingir exatamente o elo da necessidade. Digo assim, há que adequar os seus projetos conforme a necessidade territorial. Fazendo isso à engrenagem começa a se movimentar, então, vamos colocar mais óleo para que trabalhe com mais facilidade. Não precisamos ganhar muito em uma tacada só, mas aos poucos e com muitos chegamos ao desejo de nossa compreensão. O velho ditado diz: de grão em grão a galinha enche o papo.

 

Tempos atrás um homem salvou a economia de um país aplicando métodos de ajustes necessários. Ele conseguiu resolver em pouco tempo trazendo a solução para fortalecer os laços de integração. Teacher, sim, um homem modesto mas com inteligência governamental e muita pratica com números. O que ele fez foi somente colocar as contas em ordem e multiplicou a condição do povo em sobreviver.

 

Quem conhece a história sabe sobre o Rei Arthur, conforme conta a história registrada. Mas seria muito bom se todos estudassem e discutissem o passado que está interligado ao presente. A curvatura das dificuldades sempre se estabelece no cronograma da vida, sim, pois os registros não se perdem, de tempo em tempo eles fluem trazendo a identificação do resultado.

 

A história dos dentes podres. A Europa é o berço da civilização, onde tudo começou nas conquistas de novos continentes. As guerras, tudo, originalmente para isso há um preço a ser pago onde a eternidade cobra centil por centil a degradação humanitária.

 

Vamos fazer um corrente do bem para barrar o mal. E isso só pode ser realizado dentro da condição espiritual, porque na terra tudo está travado, pois são momentos de suplícios financeiros que abafam a memória astral. Eu recebo aqui centenas de espíritos que se desprendem de suas couraças e vem buscar respostas. Eles esquecem que são partes do destino, mas o maior problema é que eles não querem resolver, querem que os outros resolvam. Uma pendência karmica só se resolve conhecendo a sua abrangência.

 

A terra seria outra se todos se ajudassem, dessem as mãos, mas não, com uma dá e com outra toma. O eterno pêndulo humano social engasgado na garganta. Choram vitimas de seus próprios erros.

 

O Brasil vai sair desta crise. Os sete anos contados pela história espiritual podem ter uma longa duração terrena. Mas quem toca esta pátria são os filhos que vieram de muitas origens para resgatar seus conflitos e dar um basta na encomenda atrasada. O governo só administra, mas a força está na massa que se desloca e isso ninguém pode parar.

 

Não existe salvador da pátria, existe responsabilidade e união, uma forma diferente de ajustar seus dotes sem perder seus elos. Pensem bem e ajustem as suas necessidades conforme o novo modelo de atuação. Nem mais e nem menos, mas tirando o essencial para completar a sua existência.

 

Um ajuste nas contas e nos métodos aplicados. Sem esta massa tudo para. Cada um de nós já passou pelas mesmas crises outrora, e tudo foi superado pela ciência desbravadora. Tudo isso pertence a nós mesmos. Não adianta chorar ou reclamar, vamos botar as mãos para trabalhar e a cabeça para pensar.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

27.10.2017

 

Sair da nossa lista:

Receber/Deletar

Deixe uma resposta