CÂNCER

Salve Deus!

 

Câncer, a maior dor de um reajuste karmico.

 

Eu estava no mundo dos espíritos quando ouvi um chamado. Imediatamente me desloquei à origem deste pedido e uma mulher estava me aguardando.

 

_ Eu preciso que me explique sobre sua fé! Tenho ouvido falar muito sobre sua religião e isso me deixou muito curiosa!

 

_ Salve Deus!

 

Comecei então a expor sobre a nossa missão, nossa doutrina, o caminho da verdade. Conforme eu ia abrindo aquele coração apertado de mãe, ela só balançava com sua cabeça. Estava ficando irradiada pela energia do bem, pois a terra precisa deste conforto, pois o mal está imperando.

 

Nisso, nesta pequena aula, ela foi interrompida. Outra mulher entrou no circuito falando de sua filha que estava com câncer. Eu não podia deixar de ouvir, já que ela estava no meu canal sensorial e tudo estava interligado.

 

_ Amiga! Minha filha está com câncer! O que eu faço, meu Deus!

 

Eu ouvi aquelas palavras e procurando me esclarecer fui bem perto dela e falei em seu coração. Fale para esta mãe que procure o Vale do Amanhecer, lá ela terá respostas para sua dor. Ela imediatamente repassou para aquela mãe desesperada.

 

Eu ouvia atentamente para poder ajudar, poder transmitir algum ensinamento do amanhecer, tornando esta mulher que me sintonizou como aparelho de fonia. Eu incutia na sua mente e ela transmitia para a outra.

 

Fui abrindo o grande véu e como resposta busquei nesta sintonia. Vendo o quadro espiritual, era uma família muito rica, de muitas posses, eles tinham tudo, menos a fé, pois o dinheiro comprava o que queriam. A jovem mocinha, treze anos, havia se perdido aos 12 anos e neste relacionamento teve um menino. No parto os médicos da terra descobriram a sua doença e dali para diante a dor começou nos laços familiares.

 

_ Amiga! Estou desesperada! Minha filha não tem muito tempo de vida! Meu neto está bem, mas vai ficar sem sua mãe! Ela é nossa única filha e como Deus pode nos tirar assim na sua juventude! Temos muita riqueza e estamos gastando tudo para salva-la, mas os médicos não nos dão garantia de nada! Muitos exames e remédios para nada!

 

Eu ouvia aquilo tudo e sabia que o obsessor desta mocinha estava fazendo o seu papel assumido antes da reencarnação. Haveria morte, sim, haveria, pois foi o compromisso jurado, mas tudo pode mudar quando temos esclarecimento da verdade. A morte pode ser adiada quando temos conhecimento sobre os fatos.

 

Não sei se no desespero esta mãe que entrou no circuito gravou o nome que lhe foi passado. Ela estava muito desesperada e isso fecha a mente para receber intuitivamente as recomendações. No desespero não há remédio que leve o lenitivo. Por isso temos que ter muita calma e saber raciocinar. Mas na dor quem tem tempo de ficar calmo.

 

Conforme eu ia ouvindo os pedidos de socorro a imagem desta mocinha foi surgindo. Era como se fosse uma criança cheia de mimos. Ela cresceu em corpo, mas não mentalmente, pois seus pais haviam criado como um bebe.

 

A mulher que me pediu explicações sobre minha missão agora havia se tornada emissária. Ela ao invés de me interrogar passou a esclarecer. Tudo pela intuição, tudo que eu passava para ela, ela transmitia para sua amiga. Um canal espiritual ligado aos dois mundos. Assim que funciona com nossos médiuns aparas, eles recebem intuitivamente em suas mentes e transmitem verbalmente na terra os ensinamentos.

 

Neste porém, a vida desta outra família estava em frangalhos, perderam a fé em Deus e estavam perdendo suas liberdades. De medido em médico, de hospital em hospital, para eles a maior riqueza era sua amada filha. Insisti novamente incutindo na mente que procurassem o vale do amanhecer, pois teriam respostas para esta dor.

 

A mulher esqueceu de mim e passou a fazer parte daquela dor, daquele quadro deprimente. As lágrimas corriam pela sua face, pois a menina era sua afiliada.

 

_ Meu Deus! Ajude-nos! Se o senhor existe coloque sua mão sobre a cabeça da minha afiliada!

 

_ Salve Deus!

 

Foi então que ela se ligou que eu estava ali. Chorando muito ela me pediu ajuda. Agora não estava mais me interrogando, mas pedindo clemência.

 

_ Você pode ajudar!

 

_ Eu lhe disse para procurarem o vale do amanhecer!

 

_ Eu não sei se falei para minha comadre, eu acho que sim!

 

_ Sim! Você falou, mas não sei se ela ouviu!

 

Naquele momento não havia mais sintonia, o mundo havia descambado sobre sua cabeça. Eu fiquei comovido com esta passagem e não falei mais nada, o momento exigia paz e compreensão. Despedi-me e deixei no seu coração a mensagem do amanhecer e de Jesus. Dai de comer e beber a quem tem fome e sede de justiça.

 

Voltei para meu mundo esperando que as noticias da razão incondicional surtam efeitos de cura sobre estas vidas.

 

Mestres e ninfas: “Prestem atenção nas suas missões, porque estamos caminhando na beira de um profundo abismo e o homem cego caminha sem sua bengala”.

 

“Decifra-me ou te devorarei”.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

15.10.2017

 

Sair da nossa lista:

Receber/Deletar

Deixe uma resposta