DIMENSÃO ZERO

Salve Deus!

 

A pior coisa para um espírito é cair na dimensão zero, pois tudo se anula.

 

Como sempre eu estou estudando e criando meu mundo ao redor de minha imagem. As contradições, as formalidades, os contatos vão se dando dentro de uma pequena caixinha que se chama individualidade. Ao passar pelo grande portal da vida e da morte, vejo no resplandecer as pérolas que se deslocam de um mundo ao outro, sim, são os eternos mundos em ascensão que buscam nos chamados da realidade.

 

Mas neste caso é bem diferente. É um mundo neutro, onde a vida se baliza pela desconformidade do coração. Eu sofri muito me vendo no apagar da fé, da desilusão, da falta de coragem para lutar. Meu eu estava flutuando e quase sem forças para sair deste plano esquisito. A dormência no espírito pela suposta energia que vai aniquilando seu sol interior.

 

O que me garantiu o retorno foi que meu físico estava recebendo os sinais do espírito e quando ele viu a seriedade do caso puxou pela mente o seu retorno. Era um desdobramento e não um transporte, sim, se fosse transporte eu estaria sofrendo a ausência da matéria e aí ficaria mais perigosa esta missão.

 

A nossa escola universal é a garantia do conhecimento científico espiritual. Como aqui na terra as pessoas se iludem pela variação do clima, dos signos, mas lá é diferente, não se tem ilusão, tudo se apagada pela neutralidade, igual à energia estática. Ela simplesmente faz a desmagnetização adormecendo o espírito. Eu flutuava de barriga para cima, sem vida, apagado dos sentimentos. Que coisa ruim, triste e fora do contexto que vivo, não existe luta.

 

Quando meu eu físico começou a sentir os efeitos do apagão rapidamente formou sua sintonia e me trouxe de volta. A ligação dos corpos pela sintonia da coragem de se aprofundar na conquista de objetivos mais claros. Há que haver comunicação direta pelo canal sensorial da vida.

 

Na terra acontece muito isso com os encarnados que se deixam envolver por esta dimensão e vão perdendo a noção da verdade. Acabam adoecendo e virando zumbis, almas mortas que transitam pelas casas transitórias. Da um trabalho danado para os mensageiros do espaço recompor a força divina restabelecendo o cronograma da encarnação.

 

À noite eu não durmo, como muitos falam, eu fico preso entre as duas dimensões catando os sinais do conhecimento e trazendo para o físico tudo que ocorre lá. Sem esta interligação tudo se apaga e vira pó. Muitos viajam pelos mundos de Deus e ao retornarem não se lembram de nada. A mediunidade é um fator preponderante de amenização dos contatos fora da matéria. Tem diversas modalidades de mediunidade, não só as que conhecemos, porque cada pessoa tem uma diferente da outra. Tudo é energia, é transição, é transformação.

 

Cada espírito que reencarna trás consigo as suas juras transcendentais. Trás no bojo de sua caminhada o principio de sua autoridade. Conforme vai crescendo vai definindo sua sabedoria. O saber, sim, é o mais profundo silencio da nossa evolução, é a manifestação silenciosa dos mundos nas dimensões.

 

Ao chegar em casa ainda sentia a ausência do meu sol interior. Esquisito, muito fora do meu padrão habitual. Ao retornar para a matéria eu senti o choque da gravidade deste apagão espiritual. Como eu estava na dualidade logo recompus a energia do físico magnetizando o espírito.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

08.10.2017

 

Sair da nossa lista:

Receber/Deletar

Deixe uma resposta