SEU TRANCA RUA – PARTE 84

Salve Deus!

 

A esquizofrenia libera o espírito.

 

A noite toda este espírito veio fazer propostas quanto a nossa missão, esta casa de Seta Branca. Não me deu sossego e ainda por cima, sendo um velho conhecido da espiritualidade, onde o Pai ama muito este homem. Ele era filiado aqui junto com sua família e tinha uma missão de resgate de suas juras transcendentais.

 

Como eu mesmo lhe disse várias vezes, poderia até presidir esta casa dando oportunidades aos espíritos que tombaram pelo abuso de poder a se reencontrarem. Mas não quis trocando a espiritualidade pela sociedade. Enfim, destruiu tudo que tinha para viver uma falsa moralidade.

 

Eu estava aqui no meu leito quando ele chegou, um espírito sofrido, agonizante, mas não baixava a bola. Os mentores estavam de honra e guarda, pois não deixariam nada além da conversa a ser ouvida. Olhando para este irmão na mesma condição, ou até pior, pois a enfermidade atua conservando a ruindade. Era para se libertar, mas se aprisionou de vez.

 

Agora com sua mente deturpada pelo avanço da degeneração neural e com seus cobradores atuando diretamente no seu padrão mental a doença não regenera os tecidos, porque vai se acumulando na vida física e na vida espiritual. O corpo físico não aguenta tanta investida dos seus algozes que ele jurou assistir na sua libertação. Involução tragou os desejos de prestar conta dos seus atos.

 

Foi à noite toda com este homem projetado fora do seu corpo atuando aqui no meu mundo. Ele não é mal, mas somente não aceitava redimir seus erros do passado causando mais sofrimento para seu futuro. Tudo que aconteceu em sua seara foi por sua decisão, nada de querer culpar seus vizinhos pelas dores conquistadas.

 

Quando o sol raiou seus primeiros sinais é como uma borracha que vai apagando aquela presença. O espírito vai perdendo a liberdade da noite porque o sol pesa mais no espírito, ele tem que voltar para seu corpo. Amanheceu o dia e eu tive a visita de sua esposa desencarnada. Ela veio sorrindo e acolheu este encarnado desencarnado. Esta ninfa sol tinha uma linda missão aqui na casa de Seta Branca, como ela era feliz. Não tem como descrever o que ela sentia na humildade desta casa de pau a pique. Para ela não tinha tempo ruim, tudo era bom e maravilhoso, principalmente quando ela se encontrava com Pai Seta Branca aqui no templo.

 

Ela veio com os primeiros raios do sol. Reconheci porque estava com seu vestido branco do amanhecer. Uma linda mulher que ainda caminha para sua maior evolução. Ela veio buscar este homem que na terra foi seu marido e o levou para seu lar, sua casa na terra.

 

Depois que eles saíram daqui não os acompanhei, deixei para ela resolver este impasse, porque, meus irmãos: nada se perde, mas tudo se transforma. A nossa missão não tem exclusividade, ela é deste povo, filhos de Seta Branca, que cuidam da Seta Imaculada jurada ao seu peito. O Pai é um espírito bondoso e cuida para que nada saia do principio criador, das bênçãos divinas. Jurou, pague, mas saiba que nenhuma dor será suficiente para lhe tirar a sua vida missionária.

 

Quando ela o levou embora o meu espírito suavizou aquela cobrança. Eu bem lhe havia dito que a nossa missão é algo muito sério, porque remonta a história da humanidade. Um dia conversando com Seta Branca eu toquei neste assunto e ele disse assim:

 

_ Diga para aquele meu filho que eu o amo muito!

_ Salve Deus!

 

Em uma oportunidade ele me procurou aqui na frente de casa e eu lhe disse o que o Pai pediu. Senti em seu coração um breve descompasso, mas queria ser forte, mais forte até que seus mentores. Disse-lhe ainda que esta casa poderia ser presidida por ele, mas que ele era muito autoritário e não baixava sua cabeça.

 

Missão meus mestres. Missão é algo tão sério e sublime que ninguém pode imaginar em sua sã consciência a responsabilidade de ser um emissário do bem. Imaginem que ele foi procurar ajuda em terreiros pesados para me matar, foi até em outro templo do amanhecer pedindo ajuda para nos tirar daqui. Pai Joaquim me trouxe noticias. A esquizofrenia atuando sem princípios da verdade.

 

Esta casa é de Seta Branca, e nosso pai é puro amor dentro da sua razão. Nada muda sem sua autorização e seu consentimento. Vejam bem este exemplo:

 

Eu estava amarrado e não conseguia melhorar nosso templo que era em madeira. Umidade, cupins, tudo avançava para demolição. Tudo que ele fez para me destruir acabou impregnado nas paredes desta casa. Um dia Seta Branca desceu e me autorizou a mudar. Foi então que tudo se renovou, comecei a construir o novo templo e de lá para cá não consegui mais parar de trabalhar. Ergui o templo, estamos de casa nova, estamos com todos os aledás quase prontos para todos os trabalhos. Eu faço sozinho porque ainda não houve compreensão dos mestres quanto à gratidão de um Pai que nos protege. Vai demorar um pouquinho mais, mas estou fazendo. Eu conheço a verdade, por isso não culpo ninguém.

 

Uma hora eu estou lá no templo, outra hora aqui fazendo outras coisas, e tudo vai se iluminando. Estou modelando tudo com minhas mãos, estou dando vida, estou impregnando o solo sagrado com meu suor. Cada um que pisar neste solo sagrado receberá as pérolas do astral superior. Seta Branca está comigo. Não tem um dia que ele não esteja presente aqui. Para sentir esta energia basta vir e acomodar-se na sintonia do seu coração.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

06.07.2017

Deixe uma resposta