CORPO PESADO

Salve Deus!

 

Trabalhar fisicamente em desdobramento espiritual.

 

Eu tive um aprendizado muito interessante no dia de hoje nos trabalhos. Eu estava até bem, estava me preparando para abertura dos trabalhos. Sentado no radar de comando, antes da abertura, senti meu corpo ficar pesado. Não me liguei ao momento, pois a precisão de todo comando está justamente na abertura das forças. Caso não seja de conformidade ao ritual poderá trazer sérias consequências a evolução e o templo pode vir a desequilibrar.

 

Eu fiquei prestando atenção no meu eu interior. Aos poucos meu espírito foi saindo do físico e formando o seu comando de fora para dentro. O corpo ficou pesado e o espírito leve. Eu estava ausente mentalmente, só que tudo era regido pela força espiritual, tudo para atender um povo que havia acabado de chegar. Fui voluntariamente até eles e os convidei a entrar. Houve um pouco de medo, mas aquilo tudo foi sendo lapidado e eles aceitaram entrar.

 

Os mentores estavam de honra e guarde, mas como eram muitos foi preciso Pai João de Aruanda fazer uma manipulação direta, sem limite de forças, para amenizar os contratempos. Ali mesmo ele conduziu esta força desintegradora e com isso muitos espíritos foram se libertando de suas crendices e foram levitando.

 

Eu estava fisicamente sem movimento, mas meu espírito estava aceso pela chama da vida. Este trabalho foi muito diferente, foi algo que eu diria: sensacional, do ponto de vista de estar trabalhando separado do físico. A força gravitacional não existia naquele sistema mediúnico, não havia medo, mas uma segurança. Foi onde todos receberam a maravilha do contraste das forças no itinerário do destino.

 

Temos várias funções vitais que nos alertam para o principio da nossa regularidade entre o céu e a terra. A questão é que se não houver entendimento do que seja não haverá compreensão. Muitos estão sendo engolidos pelas velhas estradas do: pão, pão, pedra, pedra.

 

A eficácia do trabalhador da ultima hora é estar na hora certa dos acontecimentos. O mantra, alertai, alertai, é uma concepção dos futuros acontecimentos que mudarão a cultura até do mestre jaguar. Prevendo novas buscas de desenvolvimento mediúnico já sinto o efervescer da água que desce cristalizada podendo destruir aquilo que toca.

 

Duplamente exposto a variação climática do ser nas duas dimensões. Eu sou dois em um, porque trabalhando fisicamente em dois planos chegamos ao ápice da conjunção dos fenômenos da antimatéria. Eu me olhava pelos dois lados, fisicamente e espiritualmente. Engraçado é que um é bem diferente do outro. Quando fisicamente olhava para mim eu estava brilhando, e quando espiritualmente olhava para mim, estava pesado e apagado. A variação do aspecto sombrio de nossas conjecturas ambientais. Mas os trabalhos saíram bem, foi algo que aconteceu, algo que ninguém pode prever, a não ser quando é submetido ao teste.

 

Desdobramento espiritual. Pela primeira vez dentro do templo e em uma condição ativa e repleta de convidados.

 

Ainda estou meio lá e cá. Estou ainda ausente de minha matéria, mas aos poucos vou recobrando o sentido do aprendizado. Aprender para poder ensinar, sim, nós somos instrutores universais e a nossa linha mater é preparar outros que darão continuidade ao acervo. Todos desenvolvem seus acervos, mas ninguém completa sua escola pelo medo de passar pelas provações.

 

Existe vida além dos olhos físicos.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

27.05.2017

 

Sair da nossa lista:

Receber/Deletar

Deixe uma resposta