DO CASTELO PARA CÁ

Salve Deus!

 

Eu tive uma visita esta madrugada de um doutrinador encarnado, ele veio do seu castelo para me visitar e não queira ir mais embora.

 

Tenho recebido muitas visitas, muitos espíritos encarnados e desencarnados, eles vêm simplesmente para conhecer a minha missão. Aqui tem o tesouro enterrado que cada dia aumenta silenciosamente seu tamanho se ramificando por todos os caminhos na sua presença. Este tesouro brilha no silencio da mente e dos desejos de prosperidade na busca pela evolução. Por isso muitos espíritos estão chegando, estão vindos para conhecer o pedacinho de chão de um pequeno mestre que se liga e desliga, pois nem todos verão o que eu vejo.

 

Eu já estava deitado, saindo para o plano infinito quando ele chegou. Tive que ficar aqui no etérico para lhe dar guarida e saber de sua intenção. Aos poucos o espírito foi ficando e ficando, mas ele não poderia ficar aqui, foi então que falando com ele abertamente pedi para ele voltar para sua origem, templo mãe. Mas ele não queria ir, queria ficar, queria minha amizade. Mas no templo mãe, quando eu o conheci, em 1976, ele já trabalhava para Koatay 108, tinha uma missão muito bacana. Eu já fazia também retratos falados, usando da técnica de projeção astral, enquanto a pessoa falava os detalhes eu buscava na mente visualizando seu padrão físico.

 

Tudo é diferente para um artista que se empenha em dar vida na terra aos que são invisíveis fisicamente. Para mim foi como um teste, foi para comprovar a minha vida em dois planos, ou simplesmente aconteceu. Nesta longa estrada dos espíritos nós vemos a distancia que cada um percorre no seu destino, pois da origem até onde estão encarnados, existe muitas situações que se esvaem. É como uma prece que se esvai com o vento e atinge ao pedido de amor e clemência.

 

_ Salve Deus meu irmão! Você tem que voltar para sua origem, para o templo mãe! Lá é seu lugar! Lá eles precisam de sua cultura, pois é dando vida nas imagens que você recebe!

 

Foi com muita doutrina que ele aceitou retornar. Eu sei que às vezes a gente quer reencontrar os amigos de verdade, quer abraçá-los em sua integridade, quer tê-los bem pertinho do coração, mas então deixe quando os corpos físicos se reencontrarem, aí sim, existe o afeto de mil vidas sendo valorizadas pela experiência de jaguar. Ao ele pegar sua trouxa e retornar eu pude me dedicar à missão que tinha agendado para esta viagem.

 

Na terra dos encouraçados ainda há muito que fazer, pois os homens tentam se matar com suas falácias de poderosos, de tiranos e sem precisar os efeitos da dor sobre a humanidade vai esquecendo de Deus. Pensam serem deuses por terem um poder bélico e dinheiro para gastar em confusão, somente isso, nada mais.

 

Nunca devemos esquecer de cumprir com as promessas. Promessa é divida e ela se torna uma jura transcendental. Se prometer cumpra, não fique dando desculpas, ou andando em zigue-zague, tentando mudar ao seu gosto a sua condição. Então é melhor não assumir e depois fazer com amor o que lhe pediram.

 

A razão maior da missão é a evolução dos espíritos. Somos na terra espíritos encarnados, mas no céu somos espíritos desencarnados, mesmo tendo matéria ainda, pois lá tudo é diferente. Muitas vezes na sua doutrina ao espírito desencarnado ele não está desencarnado, ele está ali presente em corpo sólido, ao seu lado, mas transportado de sua matéria para receber a cura fluídica. É assim que funciona no amanhecer, porque existe uma diferença quando um sofredor desencarnado incorpora e quando um sofredor encarnado incorpora. Geralmente o sofredor encarnado vem querendo fazer a limpeza de sua aura, com suas mãos fechadas, ele tenta manipular a energia em seu beneficio. Bate no peito como se fosse mentor de luz, mas é ele que está precisando a sua evolução.

 

Isso só é um exemplo da diferença na incorporação, mas existem técnicas diversas para saber a verdade. Tudo foi deixado por Tia Neiva, pois a preparação do jaguar consiste em ele aprimorar sua natureza emocional. No curso que fomos investidos, de 1980 a 1984, nos foi passado esta qualificação, onde tudo nós tínhamos que aprender diretamente pela espiritualidade. A formação do jaguar, do homem e da mulher em uma condição extremamente organizada. Todos os anos, em que se foram na formação deste sacerdócio, pessoalmente, eu agradecia a clarividente a sua presença. Ela sempre me dizia:

_ Meu filho, faça tudo como sempre lhe ensinei!

 

Aprendemos muito nestes quatro anos de uma vida dedicada a esta missão. Existe um segredo guardado dentro do coração, pois ela preparou este rosário para no futuro ser repassado diretamente na preparação do seu retorno. Muitas coisas ela não podia falar abertamente para não criar divisões no mestrado, pois traria conflitos desnecessários aos seus filhos. Neiva tinha uma inteligência divina, ela conhecia sua tribo. Conhecia até onde cada um podia chegar.

 

Hoje já são 41 anos de preparação. Fiz da minha missão o meu sacerdócio. A missão se torna difícil quando se conhece os dois lados da vida, pois os espíritos não têm como enganar criando ilusões em cada mente. Aqui não se engana ninguém, aqui se vive a realidade dos encarnados e desencarnados. Eu vejo cada coração que trabalha comigo e eles se tornam especiais. Mestres e ninfas em suas conquistas, sem demagogia e sem medo da verdade. Aqui não existem mestres alheios a dor. Existem missionários em muitas linhas.

 

Quando não se tem controle emocional dos espíritos eles se cobram fazendo do seu aledá um pedestal de dívidas mal resolvidas. Foi para isso que o trabalho de prisão também foi trazido, para que cada um pagasse sua divida com seu próximo com seus bônus espirituais. Vejam a ferocidade de um espírito milenar, que só pode pagar ou cobrar a sua divida neste ritual.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

04.04.2017

Deixe uma resposta