CHAMOU, EU FUI…!

Salve Deus!

 

Os trabalhos no templo têm uma importância tão grande, mas tão grande que passa despercebida a chegada de forças de um mundo dinâmico e cheio de promessas.

 

Ao realizarmos o trabalho de imunização, pedido por Pai João de Aruanda, a guia missionária, *Madalena de Cássia, veio nos atender. Chegou com seu grande amor e compreensão pela nossa vida terrestre e missionária. Como já diz a história delas abaixo, eram as mais próximas a Jesus e tem for missão ajudar a regenerar estes espíritos aprisionados nas longas filas que se formam no etéreo plano.

 

Ao realizarmos este trabalho esta falange assumiu o compromisso de ajudar a evoluir muitos espíritos que ficaram presos as suas inverdades. São espíritos que se modificaram pela ausência do amor incondicional, que ficaram sob a égide de suas ideologias. Com isso a radiação deles se transforma em doenças, em epidemias, que vão assolando os seres encarnados.

 

Ao encerrarmos a imunização, Madalena de Cássia veio ao radar de comando agradecer pelo trabalho e agradecer ao Pai João de Aruanda pelo convite de estar aqui nesta seara onde elas prestaram a maior caridade. As enfermidades, meus irmãos, cuidado com elas, tomem ciência que elas vieram para matar e não curar. Se fortaleçam e assumam suas missões com respeito às ordens de Seta Branca.

 

Agradeci a Guia Missionária pela rica e feliz oportunidade de as telas recebida pela primeira vez aqui nesta casa de nosso Pai. Ela sorriu gentilmente acenando com sua cabeça em sinal de respeito e consideração. O portal então se fechou e o templo voltou a normalizar sua estrutura física.

 

Eu estava aqui me projetando para viver esta eternidade quando um doutrinador me chama. Eu fui até ele que mora por estas bandas e chegando lá, no seu leito, uma vela acesa e parte dos seus rituais em oferenda a Deus. Estranhei, mas como devemos respeitar os direitos de cada um, eu falei com seu espírito que estava sentado na cama.

 

_ Salve Deus jaguar! Você me chamou e eu vim! Fique tranquilo que eu só vim para lhe mostrar que os espíritos se reencontram, onde quer que estejam, mas cuidado com esta vela, que ela seja somente para iluminar seu mundo físico e não a sua espiritualidade! Assim como eu a encontrei acesa, muitos outros também poderão vê-la, e eles poderão usar desta chama para outras finalidades! Salve Deus!

 

Ele estava meio atordoado, não sabia se estava dormindo ou acordado. De cabeça baixa ele só resmungava e não conseguia abrir seus olhos. Falei no seu coração e espero que ele ao acordar lembre da verdade, porque somos todos eternos caminheiros que assumiram esta roupagem para servir ao Simiromba de Deus.

 

Grande Simiromba de Deus. Nosso Pai é tão humilde que no seu mundo não se usa esta palavra Grande, porque ele quer ser pequeno como um grão de areia para poder estar no coração de cada um de nós. Vejam a simplicidade que envolve este espírito de luz. Todos sabem que ele é o Simiromba, ele é simplesmente o nosso Pai. Vamos recebê-lo e tratá-lo como Pai e não como um ser diferente de nós, apesar dele ser muito diferente, de ser a mais pura luz. Ele ama quando somos simples, quando respeitamos a nós mesmos e as nossas famílias.

 

Acordei agora, a energia de onde estive não me deixou mais pregar os olhos. Tive que voltar para recompor meu físico com os fluidos da terra. Os espíritos também se desgastam por onde vão, para isso os rituais do templo refaz a sua jornada despertando as energias que abastecem os plexos. Para cada ritual existe uma jornada que é acompanhada de perto pela espiritualidade. Assim como foi hoje neste ritual que recebemos uma graça divina.

 

Boa madrugada para todos e não busquem o que não lhes pertence.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

02.04.2017

 

*FALANGE MISSIONÁRIA MADALENA DE CÁSSIA

A Primeira Madalena é a Ninfa Lua Maria Dutra Barreto, tendo esta falange como função específica a participação no Turigano e nos casamentos, trabalhando sob a projeção das Missionárias do Espaço que formam a Falange da Guia Missionária Madalena de Cássia, a Missionária mais próxima de Jesus, para ajuda nas filas magnéticas àqueles que necessitam das energias curadoras e desobsessivas. Essa Falange surgiu na Europa, na Idade Média, como freiras que, nos conventos, auxiliavam aquelas fidalgas que buscavam proteção contra a prepotência de seus preceptores, fugindo de casamentos não desejados ou de alianças desastrosas. Como descreveu Koatay 108, as falanges missionárias agem, harmoniosamente, em conjunto: as Muruaicys vão à frente, abrindo os portões magnéticos do Vale das Sombras e das cavernas, onde se encontram espíritos que, por sua força e ferocidade, se apresentam deformados pelo ódio, por sua vibração negativa, assumindo tristes formas animalizadas e até mesmo monstruosas. As Muruaicys jogam seus charmes, emitindo lindos mantras que vão iluminando aqueles espíritos e estes, como que hipnotizados, vão deixando os negros abismos e se aproximando dos portões. Junto aos portões, as Madalenas fazem uma espécie de poços de lama etérica, escura e pegajosa, nos quais mergulham, ficando irreconhecíveis, com aspecto semelhante ao daqueles espíritos sem luz. Quando os espíritos sofredores as veem, tentam agarrá-las, supondo serem da mesma concentração que eles. É o momento em que as Cayçaras lançam suas redes magnéticas, aprisionando-os e, com a proteção dos Cavaleiros de Ypuena, os levam para serem atendidos, sob a força do Cavaleiro da Lança Vermelha, na Estrela Candente, onde recebem o choque da força magnética animal emitida pelos médiuns escaladores e a doutrina – o ectoplasma dos Doutrinadores -, sendo elevados aos planos de acordo com seus merecimentos. O Adjunto de Apoio das Madalenas é o Adjunto Arqueiro, Mestre Vladimir, e seus prefixos são Eiza e Eiza-Ra.

 

Deixe uma resposta