VELHA OU NOVA ESTRADA

Salve Deus!

 

Ao embarcarmos nesta missão nós escolhemos o nosso caminho. Escolhemos se queremos ficar na velha ou seguir uma nova estrada cheia de conhecimento.

 

Um médium que não se entrega por amor a nova estrada se torna supersticioso, um médium sem convicção e sem merecimento. Ele fica preso ao sistema atrasado e não consegue absorver a mudança de uma estrutura arcaica que são as religiões mal acabadas.

 

Eu era um religioso, católico apostólico romano, aliás meio religioso, apesar de ter estudado em seminário eu não gostava muito, preferia as novidades, as coisas que eram desconhecidas. Ao avistar os espíritos que se seguiam na visão e na audiência eu me assustava, pois não tinha pleno conhecimento desta vida. Mas mesmo assim eu gostava de saber a verdade.

 

Tia Neiva me faz o convite para desenvolver, eu larguei a minha mochila pesada e assumi esta vida completamente. Vamos dizer que, eu deixei tudo que conhecia de lado e me abracei nesta nova ordem. Foi muito marcante esta mudança de padrão, onde a religião não conseguia responder, o mundo espiritual me trazia as respostas em uma bandeja com muito amor.

 

Eu vejo aqui na nossa doutrina muitos médiuns ainda vivendo com um pé na velha estrada e outro na nova. Não assumiram completamente a sua evolução, eles ainda estão presos as suas tradições milenares. Quando eu falo em assumir de verdade, é largar tudo naquele instante e nem pensar mais em voltar atrás, sim, é se tornar um medianeiro.

 

No mundo espiritual não existe meio termo, ou é, ou não é.

A verticalização do espírito sobre o corpo físico muda o cronograma de aperfeiçoamento. As linhas se abrem e a forma de aprender muda. Muda se você abraçar realmente este novo sacerdócio, sem intervir na multiplicidade do ser.

 

Nós não somos participantes de uma religião, nós somos espíritos libertos das tradições com amplo conhecimento da ciência espiritual. Você sabe como transmutar o metal, sabe como funciona a verticalização do eu interior, sabe transferir uma energia de um lugar para outro, sabe se manter em pé diante da tempestade, então, porque vai ficar preso a dogmas existenciais a milhares de anos.

 

Liberdade antes que se escravize de novo.

 

O sofrimento do encarnado se concretiza pelo seu árduo compromisso missionário. A cruz se torna espinhos que vão sangrando a carne, mas o espírito não, ele se revela pela sua intenção de não se manchar mais pelas inverdades infernais. Quando eu saio do físico, vejo um corpo estendido na cama, muitas vezes nem olho mais para ele, porque é simplesmente um aparelho do meu espírito, mas ele está ali, e deve ser guarnecido das intempéries karmicas.

 

O sair da esfera humana as rédeas da vida se afrouxa e vai aprofundando no silencio da madrugada. Silencio absoluto, que na alma não impera os valores da recuperação astral. Eu vejo simplesmente um universo vibrando as suas melodias. Quando você estiver com seu mestre saiba como receber seus ensinamentos, porque tudo vai depender desta união para salvar seu coração.

 

Os espíritos que tem procedência sabem respeitar a sintonia e valorizar o contato. Jogue fora a sua velha estrada e empunhe a sua espada de luz resplandecente.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

22.03.2017

Deixe uma resposta