GRANDES INICIADOS

Salve Deus!

 

Conflitos de uma geração, coisas da individualidade e da personalidade.

 

Eu procuro ser fiel aos ensinamentos, procuro responder aos estímulos das grandes organizações celestiais, procuro com firmeza de propósito atuar entre os campos da psique humana e espiritual.

 

Tem dia que a gente fica num impasse muito grande, porque o espírito quer uma coisa e a matéria outra. Nós lutamos contra nós mesmos, pois a necessidade terrena não combina com a necessidade do céu. Por isso venho demonstrar a realidade que se confunde com a evolução. Eu estou procurando aliviar uma carga enorme que chegou em minha aura, um momento de fragilidade que se estende além horizonte, além pensamento. Os grandes iniciados então chegaram no templo, ontem, quarta, e no comando de Humahã, eles vieram com a força do sol e da lua. Neste momento de ida e vindas eu sigo os conselhos dos velhos sábios, pois em sua magnitude existencial eles fluem a verdade dentro de um comando.

 

Humahã desceu. Humahã pediu para que sejamos fortes neste momento critico da abertura dos portais. Eu via aquilo como uma triangulação divina, os raios celestiais formaram o triângulo entre a terra, o sol e a lua. Eu senti os efeitos desta transição e alimentando nossos plexos e chakras nós vamos equilibrando nossa conflitante existência. Da terra partia os fenômenos ectoplasmáticos e chegando no sol eram impregnados, depois transmutando pela força lunar desciam novamente pra terra.

 

Humahã meu grande mestre e Ministro desta condução e condição existencial. Suas palavras chegam sempre em boa hora e vão se alinhando em nosso coração as afirmações dos velhos contemporâneos. Ser ou não ser. Esta força nos trás recordações das nossas batalhas para dominar um mundo, mas esquecendo que dele fazemos parte, pois do pó veio e ao pó retornarás.

 

Raios luminosos vasculhavam nossa imagem. Eles vinham e transpassava nosso sol interior desimpregnando as forças ocultas negativas do eu interior. O povo de Tumuchy, esta pequena tribo que ainda estão caminhando, eles seguem agora com Jesus, eles estavam necessitando deste fortalecimento. A clarividência de Humahã é algo extraordinário, sem limite de perfeição. Vendo então este quadro ele transpõe na sua experiência de mestre e comandante estelar, a visão de um espetáculo de cores, sons e imagens. Humahã é o mentor da estrela candente na terra.

 

Um grande iniciado também, vindo de muitas origens, está também na força decrescente deste amanhecer. Sua amplitude altera o estado vegetativo dos mestres que se deslocam em grandes concentrações atômicas fora do corpo físico. Tumuchy, Tumuchys, eis a reparação do grande amor que nunca foi aceito nas suas organizações. A ciência não tinha lugar para religião, eram magos da alquimia, não havia fé, eram verdadeiros construtores de uma obra interminável. Deixaram seus rastros nas pedras, nas arquiteturas e nos pontos de contato. Para eles que viviam diretamente na força do magnético, eles não acreditavam em Deus, porque eles viviam dentro da concentração direta. Eles construíam os pontos de afirmação, digo, eram pontos de interligação entre vários outros planetas perdidos pela eternidade. Terra, sol e lua, e assim se lançavam mais e mais nas constelações. Eles viraram suas costas para o Grande Mestre, e muitos hoje ainda estão caminhando para se reencontrarem. Os que já aceitaram estão acima do canal vermelho, em uma grande organização de iniciados.

 

 

Nossa existência mais marcante de uma era que se encerra. Os quadros existenciais vão se alinhando ao nosso comportamento e deixando lacunas abertas que devem ser preenchidas pela força do nosso amor incondicional. Sem isso seremos novamente arrebanhados pelo pendulo que circula nossa vida. Uma hora bate num ponto e outra em outro. Não há equilíbrio sem manipular esta força.

 

Nem tudo nós podemos ter, mas tudo nós poderemos compreender. A vida segue um rumo de conciliação entre as afirmações da necessidade humana e do mundo espiritual.

 

_ Nunca desista de ensinar! Nunca se abandone novamente!

Humahã.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

16.03.2017

Deixe uma resposta