OUTRA ENERGIA

Salve Deus!

 

Os contatos vão se alongando a ponto de entrarem em uma órbita muito grande e por esta ligação vão se aproximando de nós outros seres, com outras energias.

 

Ontem não foi diferente, pois a radiação tomou conta do ambiente e nesta primeira tentativa de contato eu senti um fenômeno desigual. Havia dois espíritos na sala, um eu já o conhecia de longas datas, mas o outro não, era a primeira vez que ele orbitava minha aura. Uma energia diferente da habitualmente trabalhada aqui no amanhecer, era simplesmente aquém ao conhecimento científico espiritual físico. Eu senti diretamente no físico, mas precisamente no plexo, porque nossas funções foram alteradas para receber e padronizar as forças de modo a não sair do equilíbrio emocional.

 

Eu diria que fora como uma força obsessiva, sim, porque ela não pediu permissão para entrar, simplesmente a força chegou e quem tem uma mediunidade acirrada recebe de forma espontânea. Aquele espírito ali irradiando de sua manifestação silenciosa o grau de percepção anônima. Algo diferente, algo que poderá mudar todo o conhecimento desta missão. São espíritos elucidados pela força do seu pensamento.

 

O mentor do amanhecer trouxe esta forma de contato para ampliar nosso horizonte de fé, para ver como nossa mediunidade está aceitando a transformação. São outras origens, mas eu diria que haverá discordância entre os sábios homens de negócio, porque suas mentes não estarão na mesma sintonia. Quem estiver manchado pela obstinação ao poder ficará de fora desta contagem. Quem foi sempre o bom servo poderá aos poucos abrir seu véu e se graduar na força deste contato.

 

Eu posso dizer que é algo sublime, diferente e altaneiro. Mas muitos serão levados ao pelourinho e açoitados pelos coronéis que subestimam a força do mundo espiritual. Uma coisa que me chamou a atenção neste episódio é a alteração das emissões. Não se tem mais a originalidade de uma emissão que busque estas forças. Se um mestre foi desenvolvido pelo adjunto, ele é sua origem e não de outra origem. É o mesmo que tomar de um ministro e dar a outro, sem precisar o perigo de quebrar a hierarquia, a homogenia desta contagem decrescente.

 

Exemplo: Se eu tenho aqui no meu comando os mestres na minha linha, eles vêm na minha sintonia, contagem. Agora, se este mestre é colocado em outra origem, quebrou a relatividade, o aluno passa a ser mais importante que seu professor. Nas emissões deixadas pela clarividente, ela desde o principio disse que: não se toma de um ministro e se da para outro. Quando eu vi as emissões destes mestres serem modificadas de modo a sofrer as alterações do comando, eu vi que a destruição do principio está feita, pois quem fez, fez de caso pensado, ou se aproveitando da ingenuidade, impensado.

 

Vamos então explicar. Um mestre tem uma contagem decrescente. Existem forças que atuam na conformidade ao seu desenvolvimento. Se um mestre desenvolveu com o ministro “tal” e ele passa a emitir origem de outro “adjunto”, o degrau que sustenta sua conduta foi tirado. Ele não passa diretamente para cima, ele trava ali, e não consegue ser registrado no plano espiritual. É como uma engrenagem que perde um dente, ela vai parar de funcionar ou vai quebrar de vez. É como uma porta que para chegar a outra tem que passar pela primeira.

 

O mesmo acontece com todos os adjuntos, tem uma raiz e não uma origem. Eu sou raiz Ypuena, vejam bem, eu sou, mas quem vem na minha contagem é raiz Apurê. Não adianta querer emitir diretamente na origem Ypuena, porque existe um respeito muito grande da espiritualidade que se organiza em comandos. Seria o mesmo que um filho seu tivesse outro pai, ou outra mãe. Ele sendo seu filho é seu filho.

 

Ypuena é contagem decrescente e não crescente. Para que um mestre esteja em conformidade ao que foi deixado pela clarividente deste amanhecer é preciso seguir exatamente a originalidade da missão. Inventar moda é quebrar sua disciplina mediúnica. A que preço.

 

O mesmo está acontecendo com as presenças destes novos espíritos. Eles estão vindos dentro de uma hierarquia e não podem chegar diretamente no mestrado, são forças em movimento, forças decrescentes, por isso que tem que haver concordância na absoluta certeza de estar na integridade do seu eu interior. Eles não ousam passar por cima da lei, sim, meus irmãos, eles obedecem à lei na sua composição absoluta.

 

Mil luzes a brilhar bailando no eterno vai e vem da eternidade. Quem são eles, há, logo irão descobrir. A grande nave que chegou há muitos anos atrás trouxe este povo excelso. Agora já preparados para descer vão gradativamente formando um novo rosário de amor dentro da razão. Vai ser uma nova era.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

01.03.2017

Deixe uma resposta