MAGNETIZAÇÃO DO METAL – AULA TRÊS

Salve Deus!

 

Voltamos ao principio das forças atômicas, onde tudo se transformava pela necessidade de transferir cargas ou redistribuir os poderes de um povo que na época eram sublimes cientistas. Os Tumuchys dominavam a técnica da levitação, da fusão nuclear, da matéria liquida em matéria ou substância composta. Todos eram portadores de conhecimento e isso nos tornava em deuses.

 

A formação do principio deste povo na terra foi à renovação e preparação do futuro do planeta. Com as conquistas sobre os grandes animais e a implantação do circulo vital abriu a conexão sideral, a terra agora tinha uma linha direta com o universo. As grandes amacês traziam do espaço a força luz, força cósmica e aqui esta força era condensada em fótons eletromagnéticos, era um poder imensurável. A luz irradiava através da magnetização de pequenos ou grandes metais que serviam como lanternas, clareadores ou repulsão das ondas magnéticas, tanto em pedras compostas de metais e em outras substâncias específicas.

 

Quando nesta era éramos conquistadores através da pura ciência dominávamos a natureza pela sabedoria do homem que se prendeu ao seu plano formando um grande denominador comum. Em breve teremos mais descobertas que trarão a luz do principio superior.

 

Um dia eu estava na casa grande. Era noite já e Tia Neiva estava sentada com alguns mestres. Eu trouxe uma pequena pulseira para ela magnetizar. Qual foi minha surpresa, ela me repassou a força Tumuchy, pois minha visão ainda estava turvada pela reencarnação. Ela me mostrou o processo de transferência magnética e eu reavivei este passado, quando éramos conhecedores. A janela temporal abriu inesperadamente na minha frente, e ao pegar a pulseira de minha mão, ela foi induzindo a força para o metal.

 

_ Tá vendo meu filho! É assim! Toda vez que alguém lhe pedir a magnetização faça como lhe ensinei! Temos duas forças neste amanhecer, temos dois princípios, sol e lua, doutrinador e apará, e cada uma delas se transfere em força cruzada! Da direita para a esquerda, doutrinador e da esquerda para a direita, apará!

 

Eu observava a maestria com que ela executava bem ali, mas só eu estava vendo, porque ela colocou suas mãos bem abaixo da mesa entre sua cintura e seu plexo. Quem estava na casa grande não podia ver, pois ela estava assegurando esta medida cautelosa. O mais importante que naquele momento a visão dos Tumuchys se abriu eu pude ver a verdade com que ela estava induzindo meu espírito a recordar.

 

_ Viu meu filho! Faça como lhe ensinei!

_ Salve Deus!

 

Naquele momento da transferência do conhecimento meu espírito se encheu de luz, eu fui remodelado a verdadeira consciência. Daquele dia em diante minha vida mudou, meu costume ficou mais acirrado, e tudo que é de metal não fica por muito tempo no corpo físico. Tudo estoura, quebra e parte. O relógio para de funcionar, anéis, pulseiras e cordões arrebentam dando até um estouro. Na noite em que ela magnetizou a pulseira me ensinando a magia eu voltei para a pensão para descansar e ao escutei um estampido perto do ouvido, levantei meio sonolento e não vi nada. Voltei a cair no sono e pela manhã procurei a pulseira de aço no meu braço e não a vi. Voltei para o quarto e ela estava toda aberta na cama, não havia um elo preso ao outro. Montei-a de novo, mas já havia perdido a magnetização. Teria que ser outra e fazer todo o ritual de novo.

 

Tudo começa a ter respostas quando temos uma instrução dentro da nossa cultura. Tia Neiva foi uma grande instrutora para mim, me dando a força de minha origem, abrindo a minha fechada porta, e deixando transparecer os sinais do tempo no templo. Ninguém realmente conheceu a sacerdotisa, pois ela era um espírito de grande hierarquia, e como mãe teve que se submeter ao principio da família, teve que viver com seus pés nesta terra e preparar o homem do terceiro milênio, o homem luz deste planeta.

 

Felizmente a transição espiritual acontece para renovar o corpo físico. Antigamente em atlântica se transplantava os espíritos em novos corpos, mas tudo foi perdido pela ação dos interesses daquele povo. Vejam que quando o conhecimento espiritual se torna interesse do físico alguma coisa acontece para proteger a verdade. Assim é o nosso amanhecer, estamos vendo o interesse do físico pela composição dos espíritos. Não se pode entregar a verdade para a inverdade. Alguma coisa não está bem nesta contagem, e assim, o homem jaguar deste milênio vai sendo contaminado pela força de sua própria destruição.

 

O conhecimento é livre desde que a responsabilidade seja altaneira e não um vaso decorativo largado no canto de um altar. Eu cheguei ao meu mundo e estou tentando resumir a passagem do espírito lúcido e confiante na sua mensagem de mudar tudo, começando por si mesmo.

 

Aos poucos vou descrevendo o aprendizado do velho jaguar. Cruzamento de forças magnéticas pode curar como pode adoecer. Em mãos certas elas curam e em mão erradas elas matam. Entendam bem que, somente poucos podem ter o dom do conhecimento científico espiritual, pois nem todos usariam para benefícios da vida. Bastaria somente um desencontro para este poder ser usado para destruir seu irmão, seu amigo ou seu inimigo.

 

Eu sou testado dia e noite. No campo espiritual e na terra, principalmente na terra, pelos meus próprios irmãos que se usam no direito de matar pela vibração do descontentamento por não ter merecimento. Um dia todos poderão ter, mas para que esse dia chegue é preciso acalmar sua alma e ser um verdadeiro mago do evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Como diz o velho mago, levar bordoada e não revidar o padrão negativo.

 

É vida que segue.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

07.02.2017

Deixe uma resposta