COBRADOR

Salve Deus!

 

Vou contar esta passagem, eu até dei muita risada comigo mesmo nesta viagem. O cobrador sempre acaba nos encontrando, pode ser encarnado ou desencarnado.

 

Eu estava, espiritualmente, andando pela rua da cidade quando num semáforo eu vi um antigo cobrador. Eu tentei me esconder de todas as maneiras, mas só que ele havia me visto também. Eu fiquei quietinho, parecia que tinha diminuído, mas ele não, aí que ele se encheu de coragem e veio pro meu lado. Bateu no meu ombro e disse:

 

_ Você está se escondendo de mim é!

_ Eu não!

 

Mas eu tava sim. Eu tava é com medo da reação dele, pois o cobrador sempre tem mais força pelo juramento transcendental que ele fez contra nós. Não adianta bater de frente com ele, pois o inesperado pode acontecer.

 

Fiquei na minha e procurei sair o mais rápido possível dali. Eu segui o meu caminho e ele ficou parado me olhando por trás. Apesar de conhecer esta figura eu o respeitei muito, pois as nossas vitimas ou algozes do passado vieram para cobrar ou pagar as juras. O que mais me chamou a atenção que eles nos reencontram e não tem como fugir, não tem como disfarçar, o odor que sai pelos nossos chakras frontais nos denunciam.

 

Nem ele estava me esperando. Acho que ficou até perdido e sem calcular a cobrança perdeu a chance. O cobrador fica batendo na mesma tecla até que o cobrado se aborreça e o trate com desigualdade. Prato cheio para ele se revoltar ainda mais. Voltei rapidinho pro vale. Dava risadas de mim mesmo, de me ver nesta roupagem e de não esboçar nenhum reação. Eu queria entrar no primeiro buraco, mas não tinha. (risos).

As coisas são esquisitas. Vendo um irmão que havia assumido uma prisão, onde o espírito não subiu, ainda estava em sua aura, eu fiquei até sem palavras. O que fazer nesta hora, falar a verdade ou se calar. Como ele é novo na doutrina eu lhe pedi para vir falar comigo em outro trabalho, tentar ajeitar as coisas, de maneira que ele não se prejudique tanto. Um trabalho de prisioneiro se não for feito corretamente não liberta e sim aprisiona ainda mais o cobrador na sua aura.

 

O espírito era um militar encardido pelo tempo que ficou neste mundo sofrido. Agora que o trouxeram para cima ele não quer mais voltar, quer ficar junto ao mestre que jurou a sua libertação. Por isso que eu digo, meus irmãos, consciência de suas missões, depois pode ser tarde demais para querer mudar um quadro obsessivo.

 

Eu vejo os presidentes novatos assumindo compromissos em nome do povo, dizendo para eles isso ou aquilo, mas em verdade, se conhecessem um pouco a história de Aragana, teriam mais cuidado com suas atitudes. Brincar de ser mestre, de mandar, a doutrina não é mandatária, ela é de humildade, tolerância e amor. Aqui é a continuidade da vida e não da morte. Se quiser morrer não leve seu povo junto.

 

Salve Deus!

 

Adjunto Apurê

An-Selmo Rá

25.01.2017

Deixe uma resposta